PCP questiona o governo relativamente à “Transferência de cuidados de saúde para entidades privadas por falta de médicos anestesistas no Hospital Egas Moniz”.

SNS“Face a falta de anestesistas no SNS, o PCP entende que a solução não passa pela realização de cirurgias em entidades privadas, que lucram à custa da doença, mas sim pelo alargamento do número de vagas de acesso à formação médica especializada, bem como pela valorização e dignificação das carreiras, pela valorização das remunerações e pela garantia de condições de trabalho, de forma a criar as condições para que os médicos optem por desempenhar funções no SNS.”

Ler a pergunta completa AQUI!

Sobre o encerramento das unidades de saúde do SAMS

samsTendo em conta os últimos desenvolvimentos (encerramento e lay-off) nos serviços de saúde dos SMAS. O PCP fez uma pergunta à ministra de saúde. 

Texto da pergunta

O Conselho de Gerência e o Conselho Executivo do SAMS decidiram encerrar todas as unidades de saúde do SAMS, nomeadamente o Hospital, o Centro Clínico de Lisboa, bem como as Clínicas Periféricas e Regionais. Avançaram com o lay-off e a suspensão dos contratos de trabalho com os trabalhadores, alegando questões económicas e financeiras, para encerrar a atividade assistencial, deixando os seus beneficiários sem cuidados de saúde. O seguimento e o acompanhamento dos doentes são cancelados.
É uma decisão ainda mais inconcebível, quando os beneficiários do SAMS, assim como a Banca continuam a efetuar as respetivas contribuições, sem que haja a prestação de cuidados de saúde.
Encerrar neste momento as unidades de saúde, quando o país enfrenta o surto pandémico da COVID-19 não faz qualquer sentido.

Continuar...

Boletim da Célula do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Sector Saude Saíu o boletim da célula do Centro Hospitalar de Lisboa Norte.


Podes consultar o boletim AQUI!

PCP recusa morte do Centro Hospitalar Lisboa Central

HospitalAtravés de Despacho publicado em 27 de Novembro, o Governo lançou um concurso "para a concepção, o projecto, a construção, o financiamento, a conservação, a manutenção e a exploração do Hospital de Lisboa Oriental", confirmando que será mais uma Parceria Público Privada (PPP) e assinando a sentença de morte aos seis hospitais que integram o CHLC (S. José, Capuchos, Sta. Marta, D.Estefânia, Curry Cabral e Maternidade Alfredo da Costa).

Continuar...

Boletim do Centro Hospitalar Lisboa Norte

logo campanha2016Vamos parar no dia 20!

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais emitiu um pré-aviso de Greve Nacional para os trabalhadores da saúde para o dia 20 de Janeiro. É tempo do governo dar resposta às exigências dos trabalhadores da sáude. Basta de promessas. 

Continuar...

Defender o CHLC é defender o Serviço Nacional de Saúde

get imgO CHLC, instituição que integra hospitais centenários, está sob fogo cerrado. Interesses privados e negócios pouco claros, sobrepõem-se ao interesse público e às disposições constitucionais que asseguram o direito à saúde.

Ler documento em PDF

Continuar...

Situação dos trabalhadores da cantina do Hospital de S. José

ng5568746No passado dia 31 de outubro, os trabalhadores da cantina do Hospital de S. José, em Lisboa, realizaram uma ação de luta para denunciar a falta de condições de trabalho. De acordo com as declarações públicas prestadas pelos trabalhadores, as “más condições de trabalho têm colocado em risco a higiene e segurança na instituição”.

Continuar...

«Centro Hospitalar Lisboa Central impõe restrições aos Direitos, Liberdades e Garantias dos trabalhadores»

enhanced-22396-1391617749-1O Grupo Parlamentar do PCP teve conhecimento que o Conselho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC) emitiu uma circular informativa que impõe um conjunto de regras sobre o “relacionamento dos colaboradores do CHLC com a Comunicação Social”.

Continuar...

Alerta na urgência do Hospital de São José

PCP Cinfes 29.01.2015É da maior urgência a contratação de  profissionais que há anos estão comprovadamente em falta, integrando-os em carreiras atractivas, valorizando-os social e profissionalmente, promovendo a estabilidade laboral. Chegou a hora, agora que o governo mudou, de mudarem também as políticas. É exigência dos portugueses. É exigência do PCP. Reafirmamos, pois, que a Célula do CHLC do PCP está e estará ao lado dos trabalhadores e das populações na luta por um SNS Geral, Universal e Gratuito e apela aos profissionais e às populações que lutem também em

Ver em PDF

Uma Visita ao Hospital Miguel Bombarda em Defesa do Património Histórico/Cultural

0No dia 1 de Outubro, uma delegação do PCP, da qual fazia parte a candidata e deputada da AR Rita Rato e o candidato e deputado Municipal Carlos Silva Santo, visitou o Hospital Miguel Bombarda, correspondendo ao pedido de uma das organizações que integram o Movimento para a Classificação do Património Edificado do Hospital Miguel Bombarda, pelo inegável valor museológico (dois desses edifícios já classificados). Nesta visita, participada por cerca de duas dezenas de pessoas, maioritariamente ex-trabalhadores daquela instituição, mas também especialistas na área da cultura, designadamente da história da arte (Prof. Vítor Serrão) e também o autor de uma obra sobre o Panótico (Dr. Victor Freire) e fundador do museu instalado no edifício desse estilo arquitetónico, único em Portugal, e dos poucos existentes no mundo. A visita foi conduzida por este ex-administrador daquele hospital. Não se tratou de uma típica ação de campanha, visto aquela instituição, pioneira na assistência psiquiátrica, estar desativada e entregue a uma degradação acelerada, que a deputada testemunhou. Mas tratou-se, de uma clara posição de apoio à salvação de um património histórico, arquitetónico e científico, no domínio das ciências medicas, testemunhado por um riquíssimo acervo documental que corre o risco de se perder em vez de se transformar num verdadeiro Arquivo que as instalações daquela instituição tem todas as condições para acolher. O Hospital Miguel Bombarda faz parte de um conjunto instalado num espaço que em termos “olissiponensis” se chama “ Colina de Santana”, uma entre as outras que fazem de Lisboa uma das mais belas cidades do mundo. Nela se encontram outros hospitais (S. José, Capuchos, Sta. Marta) também eles instalados em monumentos que pertenceram a diversas Ordens Religiosas com alguns edifícios também já classificados. No contexto arquitetónico lisboeta há que assinalar o soberbo panorama que se oferece a quem sobe, por exemplo, ao Castelo de S. Jorge de onde se observa como se combinam as águas do Tejo com suas margens naturais da “ Outra Banda”, a vastidão do seu estuário, o “Mar da Palha”, a harmonia da margem lisboeta com os seus monumentos de épocas diversas que se elevam acima do vermelho dos velhos telhados da “Lisboa Antiga”, num equilíbrio policrómico que deslumbra tanto os visitantes. É o tempo de decidir se, se vai deixar avançar a subversão do betão e do vidro espelhado que nos cega na cidade dos negócios improdutivos. Por isso é urgente por a salvo a harmonia das colinas da cidade, a de Santana entre as outras, de uma empresa pública (ESTAMO) cuja atuação desmente a sua natureza que deveria ser o interesse público e se comporta como uma agência imobiliária em negócios de duvidosa transparência como foi o caso da venda do degradado Hospital de Arroios. É que há outros bárbaros muito mais sofisticados do que aqueles destroem à marretada património da humanidade em cidades como Palmira… O PCP assumirá a defesa deste património que corre o risco de se degradar irremediavelmente.

Lisboa, 16 Outubro de 2015
O Sector da Saúde da ORL

CDU: A defesa do Serviço Nacional de Saúde

201509 cartaz vota cduAs propostas da CDU visam o combate à privatização da saúde e a responsabilização do Estado por garantir um Serviço Nacional de Saúde universal e gratuito.

Ler documento em PDF

Centro Hospitalar Lisboa Norte despede trabalhadora grávida

A Célula do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) do PCP na edição de Julho/Agosto do seu Boletim Informativo denuncia que foi despedida "uma assistente operacional pela simples razão de se encontrar grávida. O hospital pela voz da própria chefe e supervisora fez saber à trabalhadora que não seria uma mais-valia para aquele ou qualquer outro serviço” por estar grávida." No mesmo documento são ainda abordadas diversos outros ataques aos direitos dos trabalhadores das unidades de saúde do CHLN e seus utentes.

 

Ler documento em PDF

A admissão de mais trabalhadores no CHLO é urgente!

Na edição de Julho do seu Boletim Informativo, a Célula do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental do PCP denuncia "a falta de profissionais de Saúde que se verifica no Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO), à semelhança do que se passa na esmagadora maioria das instituições de Saúde em Portugal, deveras alarmante e preocupante, tendo atingido números inadmissíveis. É opção política dos últimos governos, enveredar pela destruição das Funções Sociais do Estado, nomeadamente pela degradação do Serviço Nacional de Saúde, abrindo as portas aos grupos privados.

 

Ler Boletim Informativo em PDF | Julho 2015

 

Sobre o falecimento de António Galhordas

Faleceu o camarada António Galhordas. Médico, tinha 83 anos.

 

Profissional de méritos reconhecidos, homem de grande coragem e determinação. Toda a sua vida foi pautada pela dignidade e coerência na luta por uma sociedade mais justa. António Galhordas integrou na Faculdade de Medicina de Lisboa, em 1953, a lista progressista vencedora para a Direcção da Associação de Estudantes o que levou ao encerramento da sua sede pela PIDE.

 

Tendo estabelecido contacto com o PCP em 1957 desempenhou, nesse período, um papel destacado na luta do movimento que levou à feitura do Relatório sobre as Carreiras Médicas. Desde aí e até ao 25 de Abril de 1974 fez parte dos órgão dirigentes da Ordem dos Médicos, encerrada pela PIDE/DGS em 1973, tendo sido reaberta já em plena liberdade a 30 de Abril de 1974.

 

Destacada figura do movimento da oposição democrática à ditadura fascista desempenhou nesse quadro corajosa e qualificada intervenção na luta pela liberdade e a democracia, António Galhordas foi um dos mais importantes activistas da CDE e do MDP-CDE. 

 

Após o 25 de Abril, integrou o 1º Governo provisório, como Secretário de Estado da Saúde. 


Foi membro da Comissão Política do MDP e deputado na Assembleia da República. Foi Eleito na Assembleia Municipal de Portel, onde exerceu a presidência deste órgão em sucessivos mandatos. Foi dirigente da Voz do Operário.


Integrou e acompanhou a acção política da Associação Intervenção Democrática, tendo participado activamente no quadro das coligações eleitorais FEPU, APU e CDU. 

 

Em 2001 aderiu ao PCP estando actualmente organizado no Sector da Saúde da Organização Regional de Lisboa.