Jerónimo de Sousa em debate em Algés

Realizou-se no passado dia 24 de Junho, 3ª feira, no Auditório Amélia Rey Colaço - Algés, uma Sessão Pública, promovida pelo Partido Comunista Português, sobre a Precariedade e o Aumento do Custo de Vida. Esta sessão contou com a presença do Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa. Numa sala apinhada, com mais de 100 pessoas (comunistas e não comunistas), realizou-se um debate aberto e vivo, em que as razões da precariedade e do aumento do custo de vida foram aprofundadas e o código do trabalho mereceu particular destaque e crítica por parte dos presentes.
Realizou-se no passado dia 24 de Junho, 3ª feira, no Auditório Amélia Rey Colaço - Algés, uma Sessão Pública, promovida pelo Partido Comunista Português, sobre a Precariedade e o Aumento do Custo de Vida. Esta sessão contou com a presença do Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa.
 
Numa sala apinhada, com mais de 100 pessoas (comunistas e não comunistas), realizou-se um debate aberto e vivo, em que as razões da precariedade e do aumento do custo de vida foram aprofundadas e o código do trabalho mereceu particular destaque e crítica por parte dos presentes. Foram ainda colocadas as 7 medidas que o PCP apresentou na Assembleia da República para resolver a grave situação que Portugal atravessa:
 
1- O aumento geral dos salários, designadamente do salário mínimo nacional, que inclua um aumento intercalar para os trabalhadores da administração pública, correspondente à recuperação da perda de poder de compra ocorrida este ano, de acordo aliás com as promessas do Primeiro-ministro.
 
2- O aumento extraordinário das pensões de forma a que as pensões mais baixas progridam em 2008 pelo menos 4% e as intermédias acompanhem o aumento previsível da inflação.
 
3- A alteração dos critérios para a atribuição do subsídio de desemprego no sentido de reverter a restrição imposta pelo governo, que leva a que a maioria dos desempregados não tenham acesso ao respectivo subsídio.
 
4- A aplicação de medidas com vista à diminuição dos preços dos combustíveis, designadamente com a criação de um imposto sobre os lucros especulativos das petrolíferas, e ao apoio a importantes sectores económicos especialmente penalizados por estes aumentos, tal como já anunciado no projecto de resolução do PCP sobre esta matéria.
 
5- A garantia do congelamento dos preços dos títulos de transporte, para além dos passes sociais, através da concretização da utilização do gasóleo profissional anunciada pelo Governo e que tarda a concretizar-se.
 
6- O estabelecimento de um preço máximo para 2008 num conjunto de bens essenciais básicos alimentares e de higiene.
 
7- A contenção do aumento custo dos empréstimos actualmente existentes à habitação através da orientação accionista do Estado para a Caixa Geral de Depósitos no sentido de praticar um spread máximo de 0,5% nos empréstimos à habitação, com o consequente efeito de arrastamento no mercado, equacionando igualmente o eventual recurso a medidas de apoio ao nível do endividamento das famílias com mais baixos recursos.
 
O PCP realçou que continuará a lutar e apelando a todos para se juntarem à Manifestação da CGTP marcada para o próximo sábado, dia 28 de Junho, às15h, do Largo de Camões para o Rossio.
 
Saudações democraticas,
 
Comissão Concelhia de Oeiras