Painho Ferreira é o candidato da CDU à Presidência da Câmara Municipal de Odivelas. Rui Francisco encabeça a lista candidata à Assembleia Municipal

foto salaForam oficialmente apresentados, ao final da tarde desta sexta-feira, no Auditório do Centro de Exposições de Odivelas, os candidatos da CDU aos Órgãos Municipais de Odivelas.

Fernando Painho Ferreira é o candidato da coligação à presidência da Câmara Municipal de Odivelas e Rui Francisco lidera a lista candidata à Assembleia Municipal.

Perante uma sala cheia, onde foram respeitados todos os condicionalismos impostos pelo combate à pandemia que vai assolando o mundo, Painho Ferreira começou por dizer que "ser candidato nas listas da CDU significa, antes do mais, a entrega à causa da defesa dos direitos das populações,, a entrega à causa do Poder Local Democrático ", para acrescentar que "num concelho marcado por profundas desigualdades sociais e territoriais" é premente assumir "o desígnio de trabalhar para a correção dessas desigualdades, promovendo uma política de rigor, proximidade e transparência com a população", garantindo que "os autarcas da CDU não estão aqui para se servir, mas sim para servir as populações do concelho"

O candidato da CDU à Presidência da Câmara Municipal de Odivelas deixou ainda claro, que neste Município "mais nenhuma força política se perfila como alternativa às sucessivas governações de PS e PSD, em parceria ou a solo", acrescentando que a CDU é a alternativa, " não só pelas suas propostas pragmáticas, mas também pelas posições que coerentemente assumiu em diversos mandatos"

Rui Francisco aludiu a um Regimento da Assembleia Municipal recentemente aprovado pela maioria absoluta do PS e que "amordaça" a intervenção dos deputados e deputadas municipais, recordando a ação fiscalizadora do executivo municipal que compete à Assembleia.

Na sessão de apresentação dos candidatos da CDU aos órgãos municipais de Odivelas, também usou da palavra Ricardo Costa, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP, que sublinhou ter esta candidatura da CDU "a força, a determinação e a coragem necessária, para levar por diante, um projecto que responda às necessidades da população de Odivelas

Ver intervenção de Painho Ferreira em PDF

Ver intervenção de Rui Francisco em PDF

Rui Francisco é o candidato da CDU à Presidência da Assembleia Municipal de Odivelas

RuiFranciscoÉ vereador da Câmara Municipal de Odivelas desde 2005 até à presente data, tendo no mandato autárquico de 2001/2005 assumido funções de membro do Conselho de Administração da Odivelgest, EM.

Como vereador na Câmara Municipal de Odivelas propôs a criação do plano de salvaguarda das instalações das colectividades centenárias do concelho, o incremento do apoio ao movimento associativo e a criação do gabinete de apoio ao movimento associativo, bem como a criação da Escola de artes no Centro Cultural da Malaposta.

Rui Manuel Rodrigues Francisco vive na freguesia de Odivelas, tem 49 anos é divorciado e tem uma filha.

Membro da direção concelhia de Odivelas do PCP é militante do Partido Comunista Português desde 1986.

Foi fundador da Associação de trabalhadores estudantes na Escola Secundária de Odivelas.

Atualmente é adjunto no gabinete da presidência da Câmara Municipal de Loures.

Odivelas, 12 de Abril de 2021

O Gabinete de Imprensa da CDU

Painho Ferreira é o candidato da CDU à Presidência da Câmara Municipal de Odivelas

PainhoFerreiraA Comissão Concelhia de Odivelas do PCP, reunida na segunda-feira, dia 29 de Março de 2021, aprovou o candidato da CDU à Presidência da Câmara Municipal de Odivelas para as eleições autárquicas que se irão realizar este ano.

O candidato será Fernando Painho Ferreira, actual vereador da CDU na Câmara Municipal de Odivelas.

Painho Ferreira esteve ao lado das populações e dos trabalhadores nas seguintes lutas:
•    contra a construção da linha circular do Metro de Lisboa e a consequente amputação da Linha Amarela e do direito do acesso direto dos residentes a Norte de Lisboa, ao acesso direto ao centro daquela cidade;
•    pela reposição das freguesias extintas;
•    na defesa dos SIMAR na esfera pública, como forma de defesa da água pública;

Esteve na linha da frente da luta pela extinção da Sociedade Odivelas Viva (PPP – Parceria Público Privada), negócio ruinoso para o Município de Odivelas.

Denunciou a repercussão das taxas de ocupação do solo sobre os consumidores finais, situação ilegal, mas que ainda se mantêm, quando estas taxas deviam incindir sobre as empresas que utilizam o subsolo.

Foi o rosto da proposta da CDU pela construção do Parque Verde Urbano da Cidade, para melhorar o usufruto da cidade pelos seus cidadãos, teve e tem um papel activo para travar o crescimento do betão e a especulação que gira à sua volta.

Defendeu a reconversão e consequente colocação ao serviço da população do Mosteiro de S. Dinis. Defendeu também a abertura à fruição colectiva das populações, em especial dos Jovens do Concelho, do Complexo Desportivo de Porto Pinheiro.

Fernando Jorge Painho Ferreira tem 67 anos de idade. É engenheiro civil e tem 2 filhos.

Foi trabalhador nas empresas Mague e ABB.

Integrou a UEC – União dos Estudantes Comunistas em 1974 e, no mesmo ano, aderiu ao PCP.

Foi eleito da CDU na Assembleia Municipal de Lisboa, no mandato de 1985 a 1989. Foi eleito da CDU na Junta de Freguesia e Assembleia de Freguesia de Belém, no mandato de 1989 a 1993. Foi eleito da CDU na Assembleia de Freguesia de Monte Abraão- Queluz, no mandato de 1997 a 2011. Foi eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ramada-Caneças e eleito da CDU na Assembleia Municipal de Odivelas, entre 2013 e 2017.

Foi candidato da CDU à Assembleia da República nas Eleições Legislativas de Outubro de 2015.

É actualmente vereador, eleito pela CDU, na Câmara Municipal de Odivelas.

É membro da Comissão Concelhia de Odivelas do PCP.

Odivelas, 6 de Abril de 2021

O Gabinete de Imprensa da CDU

CDU exige entrega de computadores em falta a alunos do concelho de Odivelas

j-kelly-brito-PeUJyoylfe4-unsplashNo Concelho de Odivelas cerca de 1900 alunos do ensino básico e secundário, economicamente carenciados, continuam sem computador, número que corresponde a 37,4% dos alunos do Escalão A e B da Ação Social Escolar.

Esta situação é particularmente grave porquanto as escolas encerraram dia 22 de Janeiro e, desde 8 de Fevereiro, o ensino passou a ser à distância, tudo indicando que se prolongará até final de Março.

Em abril de 2020 o Governo anunciava que iria investir no acesso universal à rede e equipamentos para todos os alunos dos ensinos básico e secundário, para o ano letivo 2020/2021.

Contudo, a promessa do Governo não passou disso mesmo: uma promessa. O ano letivo começou e não havia computadores para os alunos. Nessa altura o Governo lá foi adiantando que iria resolver parte do problema e adquirir equipamento informático para os alunos carenciados, dos escalões A e B do abono de família.

Resultante da pandemia, as escolas voltaram a fechar em Janeiro de 2021, atirando milhares de alunos para casa sem qualquer ligação à escola e sem poder acompanhar as matérias dadas pelos professores através das aulas on-line.

Desde dezembro de 2020 até agora e de forma apressada e mal coordenada, o Governo tem enviado para as escolas alguns equipamentos informáticos para serem distribuídos aos alunos dos escalões A e B, contudo, de acordo com dados que foram disponibilizados pela Câmara Municipal de Odivelas no passado dia 24 de fevereiro, cerca de 38% dos alunos destes escalões não têm esse equipamento.

Para sermos mais claros, dos 5.021 alunos referenciados, foram recebidos computadores para 3.143 alunos, o que corresponde a uma percentagem de 63,6%. Significa que para 37,4% destes alunos do nosso concelho não existem computadores nem rede de acesso à internet.

Esta situação é tanto mais grave, porque não se trata apenas dos alunos não terem o equipamento informático para trabalhar, é uma questão de desigualdade profunda entre os alunos, que se irá repercutir negativamente nos resultados escolares e, consequentemente, na desmotivação em relação à escola.

Consideramos também que o Município de Odivelas, de gestão PS, deve tomar medidas urgentes de exigência da resolução deste problema, junto do Governo, também do Partido Socialista.

A CDU alerta para esta situação que será certamente um espelho de todo o país e exige que sejam entregues o mais rápido possível, a todos os alunos referenciados, os equipamentos informáticos necessários para o acompanhamento do ensino à distância.

Atendendo ao contexto atual de crise económica que atinge brutalmente milhares de famílias, o Governo deve considerar a entrega gratuita dos computadores com acesso à Internet a todos os alunos do ensino obrigatório, tal como já acontece com os manuais escolares.

O Gabinete de Imprensa da CDU Odivelas

Odivelas, 02 de março de 2021

PCP assinala Centenário em Odivelas

 centenario pcp cartao 2A 6 de Março de 2021 comemora-se o Centenário do Partido Comunista Português. Nesse dia pelas 15 horas, no parque Maria Lamas em Odivelas , realiza-se uma iniciativa que assinala a data, e para a qual convidamos esse Órgão de Comunicação Social a estar presente.

Esta iniciativa insere-se num conjunto de 100 acções por todo o País, sob o lema «Liberdade, Democracia, Socialismo - Pelos direitos, a melhoria das condições de vida e o progresso social. Contra a exploração e o empobrecimento». Nessa data, o PCP trará para a rua a denúncia dos problemas com que o País está confrontado e a exigência de uma política que responda aos problemas, aos anseios e reivindicações dos trabalhadores e do povo português, da alternativa patriótica e de esquerda, pela democracia avançada, pelo socialismo.

As Comemorações do Centenário do Partido Comunista Português, cujo lema é «Liberdade, Democracia, Socialismo - O futuro tem Partido», decorrerão durante todo o ano de 2021 e os primeiros meses de 2022 at é ao 101º Aniversário, e terão no Concelho de Odivelas um conjunto de acções e iniciativas, das quais destacamos:

Durante a próxima semana

• realização de bancas de venda do Avante!, com suplemento especial do aniversário, a 4 de Março, em vários locais do Concelho;
• acções de contacto com os trabalhadores e a população a partir do dia 1 de Março, que culminará na manhã do dia 6 com uma acção dirigida aos trabalhadores das empresas que nesse dia estarão a laborar. Será distribuído um folheto em que o PCP reafirma o seu compromisso de sempre como Partido dos trabalhadores, o Partido que está ao seu lado todos os dias e cujo projecto é indissociável dos seus interesses e aspirações a uma vida melhor, à libertação de todas as formas de exploração e opressão.

E durante ante o ano ano

• pinturas de Murais a decorrer pelo Concecelho durante os meses de Março e Abril;
• sessão pública de apresentação do livro «100 anos de luta ao serviço do povo da pátria, pela democracia e o socialismo»;
• entre Maio e Junho, a realização de um roteiro em torno das casas e tipografias clandestinas;
• em Maio realizar-se-á uma exposição pública do centenário;
• encontro sobre «A acção do PCP e as lutas dos trabalhadores e das populações no Concelho de Odivelas», em data a anunciar.

Sobre estas e outras iniciativas, a Comissão Concelhia de Odivelas, divulgará mais informações posteriormente.

Odivelas, 26 de Fevereiro de 2021
A Comissão Concelhia de Odivelas do PCP

CDU valoriza investimentos dos SIMAR no concelho, no valor de cerca de 3,7 milhões de euros

2021.02.24

Na última reunião de CMO, de 24 de Fevereiro de 2021 foram aprovados importantes investimentos, nomeadamente a substituição de condutas em Famões, a construção do Reservatório dos Pedernais e a aquisição de sete viaturas pesadas para recolha de resíduos sólidos.

São cerca de três milhões e setecentos mil euros com impacto direto no nosso concelho.

Não obstante as dificuldades com que os SIMAR se deparam desde há vários anos para cá, tendo em conta o agravamento do preço da água que é cobrado pela EPAL, bem como o exponencial aumento das taxas cobradas, quer pela recolha e tratamento de efluente e pelo tratamento de resíduos urbanos, agravamento esse, diga-se, que nunca foi repercutido na fatura dos seus clientes.

Um estudo divulgado recentemente pela DECO – Associação de Defesa do Consumidor demonstra que a gestão privada dos serviços de distribuição de água, saneamento e resíduos resultam em tarifas mais altas às populações. Dos dez municípios onde o preço é mais alto, todos tem uma solução de concessão a privados.

É nestes momentos, que reafirmamos que vale sempre a pena lutar, e neste caso concreto, que valeu a pena lutar em defesa dos SIMAR na esfera pública. Este  momento comprova que aqueles que em vários momentos atacaram os SIMAR, sempre com o objectivo de privatizar este serviço público essencial às populações, estavam errados.

A CDU saúda estes investimentos tão importantes para a melhoria do serviço que é prestado à população. Um serviço que se pretende ser público, gerido por uma entidade pública e que dê resposta às necessidades do nosso concelho.

Odivelas, 26 de fevereiro 2021

O Gabinete de Imprensa

Clique aqui para conhecer o texto integral da declaração de voto apresentada

 

PS chumba moção, apresentada pela CDU, que solicita o reforço dos meios e recursos da USP/ACES Loures-Odivelas para o combate à COVID-19

aces loures odivelas

A moção foi rejeitada pelo PS, que tem a maioria na Câmara Municipal de Odivelas.

Para a CDU, parece-nos inaceitável e incompreensível como é que o Partido Socialista rejeita uma moção que defende o reforço de meios e recursos da USP/ACES Loures-Odivelas para o combate à COVID-19.

O Executivo Municipal do Partido Socialista, não consegue afastar-se do Governo PS (o seu Partido), prejudicando gravemente a resposta às populações do nosso concelho.


Conheça o texto integral da moção em:

https://dorl.pcp.pt/images/odivelas/

CDU vota contra o Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2021 na Câmara Municipal de Odivelas

Quando analisamos o Orçamento e as Grandes Opções do Plano (GOP) referentes ao último ano de um mandato autárquico, importa refletir sobre a trajetória que se fez. Estes documentos que agora analisamos refletem a visão política estratégica do PS para o nosso Concelho, visão essa que não compartilhamos. Essa visão consubstancia-se em cerca de 20 anos de governação do Concelho ao longo dos quais temos sistematicamente assinalado o que nos separa, o que nos distancia.

    - Uma política de desenvolvimento urbano que hipoteca o futuro

    - PDM – um poderoso instrumento de planeamento desperdiçado

    - Mosteiro de D. Dinis – um espaço onde faz falta a componente social, e onde é preciso uma resposta para os nossos idosos

    - Passados estes anoscontinua por definir o que fazer com o legado dos chamados Bairros do Governo Civil.

   - Passados estes anos e no que respeita à Feira Popular pouco ou nada se sabe! E, para além do grande silo automóvel a implantar em terrenos de Odivelas, o que há de novo?

    - Uma outra vertente com que não concordamos, é a da concessão a privados na área da cultura, de que a Malaposta é o principal exemplo.

    - É facto que, entretanto, se desenvolveram algumas ações sobre o território que concretizam velhas aspirações. Falamos por exemplo da requalificação da Av. D. Dinis e de algumas artérias do Centro Histórico. Falamos da resolução do nó das escolas e USF na Freguesia da Ramada. Mas também é facto que o Parque Verde da Paiã continua subaproveitado e sem um projeto coerente de utilização.

    - A criação dos SIMAR constituiu uma vitória sobre a tendência política que integrava a entrega ou concessão de sectores diversos aos grupos privados. Os nossos votos de que no futuro esses serviços continuem na esfera pública.

É facto que decorrente da transferência de mais e mais competências para as autarquias, os documentos em apreço apontam para diversos investimentos na área da educação e saúde. A CDU continuará atenta e pugnará, a médio e longo prazos pelo desenvolvimento de políticas sustentáveis.

Na realidade, pensamos que em territórios como este doconcelho de Odivelas, sujeito a uma pressão urbana que de todo não se pode ignorar, é preciso coragem para atacar a fonte dos problemas que se vão gerando, ou estaremos condenados a resolver questões a um ritmo igual ou inferior ao da criação de problemas que admitimos que se criem.

A CDU tem vindo sucessivamente a alertar que existem limiares de crescimento que não devem ser ultrapassados porque uma vez excedidos, os custos disso decorrentes são exponenciais.

Ver Nota de Imprensa na integra em PDF