Metro em luta contra a destruição da empresa

Os trabalhadores do Metro de Lisboa realizam hoje mais uma grande greve contra o processo em curso de destruição da empresa e de entrega à exploração capitalista de todas as actividades operacionais da empresa. Uma luta que é pela justa defesa dos direitos dos trabalhadores mas é igualmente em defesa do serviço público de transportes e contra a privataria que tomado de assalto a nossa economia e a nossa soberania.

Trabalhadores do Metro em Greve contra a destruição da empresa e as privatizações

pedtpesdaOs trabalhadores do Metro de Lisboa realizam hoje uma grande greve contra o processo em curso de destruição da empresa e contra as diversas privatizações de que estão a ser alvo, desde a tentativa de subconcessionar a privados a exploração comercial até à tentativa de entregar os comboios a uma multinacional numa operação financeira desastrosa. O PCP reafirma a sua total solidariedade com a luta travada e exige que o Governo abandone o caminho desestabilizador em que se encontra apostado. O PCP apela a uma forte participação na Marcha contra as Privatizações que está marcada para dia 21 de Maio por mais de 40 organizações de trabalhadores e utentes.

Privataria: Quando sobra a imaginação mas falta a vergonha!

ppp lesaebackO PCP colocou na Assembleia da República um requerimento onde confronta o Governo com mais uma PPP que está a ser preparada no sector dos transportes, agora com o material circulante do Metro de Lisboa, que querem oferecer a uma multinacional para depois o voltar a alugar, numa daquelas «operaçoes financeiras» que já custaram centenas de milhões de euros à empresa,  e que são sempre apresentadas com nomes em inglês e com rótulos de grande modernidade, mas que no final acabam por representar ganhos vergonhosos para a banca e as multinacionais à custa das empresas públicas e dos trabalhadores.

Ler Requerimento em PDF

Metro em luta contra as PPP e em defesa do serviço público

mini-metro luta 2015Os trabalhadores do Metro cumpriram hoje a primeira das jornadas de luta decididas no plenário do passado dia 22 de Abril: uma greve parcial que paralizou a circulação até às 10h00 da manhã. Os trabalhadores lutam contra o processo de destruição da empresa, contra as privatizações e as PPP e por um serviço público de transportes. O PCP expressa a sua activa solidariedade com a luta dos trabalhadores do Metro.

PCP saúda a luta dos trabalhadores do Metro de Lisboa

grevemetroO PCP saúda mais uma jornada de luta dos trabalhadores do Metro, que realizaram com sucesso duas greves parciais nos dias 16 e 18 de Março. O PCP lamenta a cega intransigência do Conselho de Administração do Metro, que em vez de respeitar os trabalhadores e as suas organizações contínua apostado na destruição da empresa, dos direitos e da fiabilidade do serviço público prestado aos utentes da Área Metropolitana de Lisboa. O PCP expressa a sua confiança que, brevemente, será esta gente - ministros, secretários de estado e administradores - apenas uma má recordação enquanto o Metro e os seus trabalhadores continuarão, com toda a dignidade, ao serviço das populações e do país.

Processo de subconcessão da Carris e Metropolitano de Lisboa: mais uma PPP

O PCP condena a decisão hoje tomada em Conselho de Ministros de lançar o concurso público para a subconcessão da Carris e do Metropolitano de Lisboa, e denuncia os verdadeiros objectivos de mais esta Parceria Público Privada: através da mercantilização dos transportes públicos, transferir rendas para o grande capital ao mesmo tempo que se promove a redução da oferta e o aumento de custos para os utentes.

Ler Nota de Imprensa

Metro parado por quem o faz andar: os seus trabalhadores!

Os trabalhadores do Metro de Lisboa realizaram hoje com sucesso uma nova jornada de luta através de uma greve de quatro horas que paralizou a circulação a 100%. Exigem o respeito pela contratação colectiva e a contratação de novos trabalhadores para a empresa para suprir as crescentes lacunas do quadro de pessoal. O PCP lamenta que o Governo e a sua Administração prossigam um clima de guerra com os trabalhadores e suas organizações. O PCP sublinha a justeza das reivindicações apresentadas e a importância da sua satisfação para o correcto funcionamento da empresa. O PCP recorda a profunda degradação da fiabilidade da operação do metropolitano de lisboa ocorrida nos últimos 3 anos, fruto dos cortes do Governo, que recusa a entrada de trabalhadores para poupar uns milhares e depois autoriza o pagamento de milhões em swaps, juros e afins.

Um ano depois do roubo dos complementos de reforma: A LUTA CONTINUA!

20150127refmetCerca de 300 reformados do Metropolitano de Lisboa participaram  num plenário na Estação do Metro do Marquês de Pombal, assinalando a passagem de um ano desde o início do roubo dos complementos de reforma no Metro e na Carris. Arménio Carlos, Secretário-Geral da CGTP interveio no plenário saudando a determinação, unidade e luta revelada nesta justa luta que acabará por derrotar este Governo e a sua política. Bruno Dias interveio expressando a solidariedade activa do PCP.

No Metro de Lisboa: a luta continua!

PlenarioML14Jan2015Os trabalhadores do Metro presentes no Plenário (foto) realizado no Auditório do Alto Moinho decidiram das formas de continuação da sua luta. Face à nomeação de uma nova administração, decidiram aguardar até ao final deste mês por respostas concretas aos problemas que afectam os trabalhadores. Respondendo ao convite feito a todos os grupos parlamentares e às Autarquias para estarem presentes,  expressaram a solidariedade activa do PCP,  David Costa, deputado do PCP na Assembleia da República, João Ferreira e Carlos Moura, Vereadores do PCP em Lisboa e Tiago Matias, Vereador da CDU em Loures.

Adesão esmagadora dos trabalhadores do Metro à greve de hoje

Os trabalhadores do Metro de Lisboa realizam hoje uma nova jornada de luta em defesa da contratação colectiva, contra o roubo dos salários e contra a privatização da empresa. O PCP expressa a sua solidariedade com a justa luta destes trabalhadores, e apela ao reforço da luta contra este Governo e pela ruptura com a política de declinio nacional em curso.