Limpeza: Lisboa é cenário de mais uma cruzada privatizadora do PS

O que se vê nesta gestão é afinal a continuação do modelo das anteriores: deixaram degradar não melhorando a qualidade do serviço, acabando por aumentar os custos.

António Costa vem anunciando paulatinamente casos atrás de casos em que decide recorrer a “outsourcing” para a limpeza das ruas através de contratação de empresas privadas para efectuarem o trabalho que devia ser efectuado por Serviços do Município devidamente apetrechados.

Privatização da Limpeza

Lisboa é cenário de mais uma cruzada privatizadora do PS

Por toda a Cidade, as principais preocupações continuam a ser a degradação do espaço público, os buracos no pavimento e, em muitos bairros, a limpeza das ruas.

Seria pois natural que a gestão PS/BE/Roseta primasse pelo reforço dos serviços municipais de limpeza e higiene urbana.

Mas não.

O que se vê nesta gestão é afinal a continuação do modelo das anteriores: deixaram degradar não melhorando a qualidade do serviço, acabando por aumentar os custos.

António Costa vem anunciando paulatinamente casos atrás de casos em que decide recorrer a “outsourcing” para a limpeza das ruas através de contratação de empresas privadas para efectuarem o trabalho que devia ser efectuado por Serviços do Município devidamente apetrechados.

Estão neste caso situações como a do Bairro Alto, Baixa Chiado e o aumento da área de intervenção da Parque Expo a toda a freguesia dos Olivais – intenções já manifestadas pelo Presidente da CML, António Costa (PS), em reuniões de câmara.

Trata-se de uma verdadeira cruzada contra os serviços públicos, na senda do que de pior tem acontecido por iniciativa do Governo PS por todo o País.

O PCP rejeita tais métodos por serem contrários ao interesse público e exige o alargamento do Quadro de Pessoal da CML neste sector, de forma a melhorar a limpeza da Cidade.