Entrevista Trabalhadores Pereira da Costa


Os trabalhadores da empresa de construção civil Pereira da Costa continuam em luta à porta da Empresa, após o último confronto com cerca de quinze capangas, dois dos quais foram detidos pela PSP, que os trabalhadores se viram obrigados a chamar. Os trabalhadores permanecem à porta das instalações de modo a impedirem que máquinas de trabalho e material informático sejam retirados com o intuito de serem reinstalados noutro local.

O trabalhador e delegado sindical Manuel da Silva Afonso referiu que a série de despedimentos, com suposta justa causa, foram recusados pelos tribunais devido a previdência cautelar interposta pelo Sindicato. Esta acção do Sindicato levou a que o Tribunal desse a ordem para que os trabalhadores fossem reintregados, estando neste momento os trabalhadores sujeitos a picar o ponto mas sem terem efectivamente trabalho, diz o patrão que não há obras.

Os trabalhadores que não foram despedidos foram convidados a trabalhar num outro local, Marinhais, sendo-lhes dado três meses de licença sem vencimento assinando por outro lado um contrato a termo certo com a nova empresa, que pertence a um familiar da Pereira da Costa.
 
As variadíssimas notas de culpa que foram apresentadas pela administração da empresa, na sua totalidade falsas e grosseiras, havendo acusações gravíssimas, desde roubo a insultos, inclusive a trabalhadores que se encontravam de férias ou baixa. Refere o delegado sindical e trabalhador que no seu caso foi acusado de ter dado um prejuízo de 67 000 € durante o mês de Agosto, mês em que o mesmo se encontrava de férias.
Também referido pelo delegado sindical foi o facto de, em 1982, a empresa então MB Pereira da Costa ter cerca de 2 000 empregados efectuando trabalhos com empresas públicas, EDP e PT, em que na altura não havendo mais empresas a prestar este tipo de serviços, o trabalho era constante, sendo na actualidade a situação bem diferente, já estando aprovados os projectos não existindo qualquer opinião por parte dos trabalhadores a cerca da melhor forma de abordar as obras em anúncio.

Também à conversa com António Feteira e José Graça Nunes, trabalhadores reintregados, foi claro o descontentamento e preocupação com toda esta situação.
Ordenados em atraso de Outubro e horas por pagar referentes ao mês de Setembro.

Continuam em luta graças à sempre presente acção do sindicato, referindo mesmo que sem a presença e acção deste esta luta já teria sido perdida e que muito provavelmente a empresa já estaria vazia e vendida com o objectivo da especulação imobiliária, estando naturalmente estes trabalhadores no desemprego.

PCP Vialonga realiza iniciativa sobre Imigração

A Comissão de Freguesia do PCP de Vialonga, onde existe uma grande comunidade imigrante, nomeadamente Cabo Verdiana e Guiniense realizou no dia 26/11/06, no Centro Comunitário de Vialonga, uma iniciativa sobre a imigração.

O Anfiteatro do Centro Comunitário esteve lotado. Como convidados estiveram os nossos camaradas António Filipe e Manuel Correia, na qualidade de Presidente da Federação das Organizações Cabo Verdianas em Portugal.

Contámos com o apoio da Associação dos Africanos do Concelho de Vila Franca de Xira que levaram o seu grupo de batuques e grupos de dançarinas; e ainda tivemos a actuação do grupo de dançarinas da Quinta do Mocho.

 

 

 

Trabalhadores em luta defendem CTT


NOS CTT, O NEO-LIBERALISMO AO PIOR NÍVEL

Perante a ofensiva neo-liberal do Governo, os trabalhadores dos CTT estão em luta em defesa da sua Empresa e dos utentes do serviço que prestam.

Esta semana, entre outras vitórias, conseguiram obrigar a Administração a reintegrar dois trabalhadores precários que, mostrando a verdadeira face deste Governo, havia despedido por participarem num plenário de trabalhadores.

(Comunicado da Célula do PCP) 

(Comunicado Solidariedade DORL/PCP) 

25 Novembro - Milhares em Lisboa Protestam contra Política do Governo

  

Em Lisboa, tal como por todo o país, realizou-se este Sábado uma Acção de luta integrada na Manifestação  Nacional e Geral convocada pela CGTP.

Foram muitos milhares de trabalhadores concentrados no Cais de Sodré, e que desfilaram até ao Rossio. No Porto e nas restantes capitais de distrito outros muitos milhares se manifestavam.

A uma só voz exigiram o fim das políticas de direita que os sucessivos Governos tem vindo a impôr, cujos únicos beneficiários são os grandes capitalistas e seus "boys".

(No Arquivo Fotográfico pode encontrar dezenas de fotos da Manifestação) 

Reedição em pdf de texto de Alvaro Cunhal


Já disponível em PDF, encontra-se a intervenção de Álvaro Cunhal, «As seis características fundamentais de um partido comunista», apresentada no Encontro Internacional do 10º aniversário da Fundación Rodney Arismendi, realizado de 13 a 15 de Setembro de 2001, em Montevideu, e subordinado ao tema «Vigencia e actualización del marxismo».

O texto de Álvaro Cunhal, debruçando-se sobre a identidade dos partidos comunistas, não o faz como ponto de partida anterior ou exterior à análise histórica, mas antes como resultado, como produto dessa análise da realidade objectiva em movimento. Assim, o cerne da intervenção de Álvaro Cunhal é a exposição do curso histórico do século XX (com as suas contradições específicas, com as vitórias e as derrotas do socialismo, com os recuos e as reconquistas do capitalismo), que teve como resolução dialéctica, neste início do século XXI, a fase globalizada do imperialismo. É pois neste contexto concreto, em transformação e a transformar, sublinha Álvaro Cunhal, que intervêm os comunistas e que aí definem necessariamente as suas políticas, os seus objectivos, a sua ideologia, enfim, a sua identidade.

Nos quatro pontos por que é constituído o texto de Álvaro Cunhal, o primeiro faz uma síntese da experiência soviética; o segundo, apresenta uma caracterização da actual «ofensiva “global” do imperialismo»; o terceiro, aborda a questão da política de alianças no quadro dessa «ofensiva»; e o quarto salienta, como consequência dos anteriores, a nova configuração do movimento comunista internacional e simultaneamente, sem «um “modelo” de partido comunista», «com diferenciadas respostas concretas a situações concretas», as seis características fundamentais de um partido comunista, a saber: independência de classe, natureza de classe, democracia interna e direcção única e central, patriotismo e internacionalismo, objectivo socialista e teoria revolucionária, ou seja, marxismo-leninismo.