Célula do Sector da Electricidade publica Boletim

012018bol electricidadeA Célula do PCP no Sector da Electricidade está a distribuir o seu Boletim de Janeiro, onde abordam situações relacionadas com o processo de liberalização do sector e as suas consequências, bem como questões diveras relativas à vida das empresas do sector.

Ler Boletim em PDF

PCP com os trabalhadores da Altice

pt 220118O deputado do PCP, Bruno Dias, esteve com os trabalhadores da PT na vigília que realizaram à porta da empresa. Os trabalhadores exigiam o regresso à empresa dos trabalhadores despedidos sob o falso pretexto das prestações de serviço. Na sua intervenção, o PCP sublinhou a importância de estar acordada a alteração ao Código de Trabalho sobre a «Transmissão de Estabelecimento», o que só aconteceu fruto da extraordinária luta dos trabalhores e da iniciativa do PCP, que obrigaram o PS a diversos recuos face à sua posição inicial, concluindo que, mais uma vez, se demonstra que vale a pena lutar!

10000 assinaturas na petição que exige Nacionalização dos CTT

ctt mtiagoO SNTCT foi hoje à Assembleia da República entregar o conjunto das assinaturas recolhidas na sua petição pela nacionalização dos CTT. Perto de 10 000 assinaturas que reivindicam que a Assembleia salve o serviço público postal através da renacionalização dos CTT. Miguel Tiago, do grupo parlamentar, expressou a solidariedade do PCP com a justa luta dos trabalhadores do CTT.

 

Múltiplas subcontratações para explorar cada vez mais!

O PCP, através dos seus deputados à Assembleia da República, confrontou o governo com alguns dos problemas que os trabalhadores do call center da Accenture que prestam serviço à Galp sentem no seu dia-a-dia. No requerimento pode ler-se: "

"Estes trabalhadores prestam serviço à Galp, através da Accenture, sendo na verdade contratados pela Randstad. Verificamos aqui várias contrações e subcontratações de serviço, sendo que quem fica prejudicado é sempre o trabalhador.
Estes trabalhadores auferem o salário minimo nacional como salário base, tendo alguns um prémio adicional de assiduidade ou produtividade, atribuído através de critérios altamente subjectivos. (...) Na verdade, o recurso à prestação de serviços para a grantia de necessidades permanentes da GALP, representa um recurso à precariedade com o objectivo de impor aos trabalhadores subcontratados menos direitos e salários muito abaixo do que os trabalhadores que integram o quadro da GALP. (...)"

Podes ler aqui o requerimento na íntegra.

NOS e Sinalcabo: lucros à conta da exploração dos trabalhadores!

direitosfuturo6-redimens

 O PCP questionou o Governo sobre a situação dos trabalhadores da Sinalcabo que prestam serviço à NOS: "O G.P. do PCP tem vindo a denunciar vários problemas com que se confrontam os trabalhadores do sector das telecomunicações, nomeadamente relativos à externalização de serviços e sub-contratação de trabalhdores. A NOS, empresa do sector, com mais de 6 mil trabalhadores só em Lisboa (mas que contam com apenas 2515 no plano nacional com contratos com uma empresa do Grupo), continua a utilizar as mais diversas formas para o aumento do seu lucro, sempre pela via da deterioração das condições de trabalho e da exploração dos trabalhadores."

Consulta aqui a pergunta completa em pdf.

É preciso libertar os CTT da gestão privada!

ctt jan2018O PCP está a distribuir aos trabalhadores e aos utentes um Comunicado sobre a actual situação dos CTT. Um comunicado onde destaca a necessidade de resgatar a empresa para poder salvar o serviço público postal. Um comunicado que é igualmente um apelo ao desenvolvimento da luta por esse objectivo, única forma de impor ao Governo que utilize os instrumentos de que dispõe para defender a soberania nacional e o interesse público.

Ler comunicado em PDF

Jerónimo de Sousa leva solidariedade do PCP ao piquete de greve dos CTT

20122017 grevecttO Secretário-Geral do PCP esteve esta noite com o piquete de greve dos CTT em Cabo Ruivo, tendo transmitido a solidariedade do PCP com a justa luta dos trabalhadores em defesa da empresa e dos seus direitos, mas igualmente em defesa da soberania nacional e do serviço público postal que se encontra claramente ameaçado pelas consequências da privatização dos CTT.

Na EDP e na Randstad, o PCP na luta contra a exploração.

req greveedpranddez17O PCP está a distribuir aos trabalhadores do Call Center da EDP e da Randstad um comunicado onde denuncia a evidência da exploração:o contraste entre as centenas de milhões de lucros da EDP e da Randstad com os magros salários pagos a estes trabalhadores. Simultaneamente o Grupo Parlamentar do PCP questionou o  Governo sobre a sua passividade perante o sistemático recurso pela EDP de prestadores de serviços para suprir necessidades permanentes da empresa.

Ler Comunicado em PDF

Ler Requerimento em PDF

CTT: Só a luta pode salvar a empresa e o serviço público postal!

Realizou-se esta sexta-feira o debate dos projectos de resolução sobre a situação dos CTT. O PCP exigiu a reversão da desastrosa privatização e criticou aqueles que querem retirar aos CTT a concessão. O projecto do PCP foi chumbado pelos partidos da política de direita - PS, PSD e CDS. Foi aprovada um projecto do PS que aponta para a necessidade de estudar a situação e as diferentes alternativas. Como tinhamos alertado anteriormente, vai ser a luta dos trabalhadores dos CTT o factor determinante que poderá criar as condições para que a privatização seja revertida. Luta que o PCP saudou na sua intervenção em plenário.

Ler Comunicado de 11 de Dezembro 2017

CTT: Retomar o controlo público para um serviço postal universal de qualidade

201712 grupo cttA degradação do serviço postal na sequência da privatização é tão intensa que é cada vez maior o movimento que exige a sua reversão. No dia 15 de Dezembro, a Assembleia da República discutirá o assunto, mas quer o BE quer o PS admitem um cenário perigoso e inaceitável: retirar a concessão aos CTT. Ora o caminho tem que ser o de retirar os CTT e a concessão àqueles a quem foram oferecidas, único caminho que defende os utentes e os trabalhadores. O PCP saúda ainda a luta dos trabalhadores, nomeadamente a jornada que está marcada para 21 e 22 de Dezembro, e sublinha que será a luta dos trabalhadores que poderá criar as condições para que a reversão seja uma realidade.

Ler Comunicado em PDF