Trabalhadores calam nas ruas a mentira e a arrogância dos donos dos CTT e seus lacaios!

20180223 cttForam milhares os trabalhadores dos CTT que desfilaram hoje em Lisboa exigindo a imediata reversão da privatização dos CTT. Fizeram-no junto a muitos utentes e reformados da empresa, que quiseram dar força a uma causa nacional - a necessidade de salvar o serviço público postal. No dia de uma grande greve, a massiva participação na Manifestação cobriu de redículo os administradores que desde a madrugada fingiam que a greve tinha pouca adesão, e foi ainda uma excelente resposta ao assédia realizado contra os trabalhadores nos dias anteriores. O Secretário-Geral do PCP, presente na iniciativa, saudou a luta, e sublinhou ser esse o caminho para impor - mais cedo ou mais tarde - a reversão da privatização dos CTT, que nesse mesmo dia, mais uma vez PS/PSD/CDS se haviam coligado para derrotar na Assembleia da República.

PCP avança com projecto de lei para retoma do controlo público dos CTT

cartazete ctt2018O PCP apresentou na Assembleia da República o projecto-lei que se anexa, e onde propõe a imediata retoma do controlo público dos CTT. Uma medida que se justifica face às desastrosas consequências da privatização, que tendem à agravar-se a cada dia que esta empresa estratégica continuar nas mãos de capitalistas privados. A defesa do serviço postal público só será possível com o controlo público dos CTT pelo que é necessário que a luta cresça em torno dessa reivindicação - luta como a manifestação agendada para 23 de Fevereiro, com arranque marcado para o Marquês de Pombal (14h30).

Ler Projecto-Lei em PDF

Acção de propaganda e mobilização pelo controlo público dos CTT

8fev ctt caboruivoNa última semana realizaram-se dezenas de distribuições  de propaganda a trabalhadores e utentes dos CTT (na foto, em Cabo Ruivo), no quadro da campanha nacional que o Partido está a promover para mobilizar para a necessidade de reverter uma privatização que está a prejudicar trabalhadores, utentes e o país para garantir benefícios apenas a meia dúzia de capitalistas.

Ler Documento em PDF

PCP promove Tribuna Pública nos Restauradores pelo controlo público dos CTT

20180208tribuna cttO PCP promoveu uma tribuna pública nos Restauradores, em defesa do serviço público postal e pela reversão da privatização. Nela intervieram diversas vozes, desde eleitos locais, a membros das comissões de utentes a trabalhadores da empresa. Em comum, a exigência de medidas imediatas por parte do Governo para o retomar do controlo público, e o apelo à participação na Manifestação de dia 23 de Fevereiro convocada pelas ORT da empresa exigindo «A reversão da privatização dos CTT».

Consultar dossier detalhado sobre o processo dos ctt

Célula das Telecomunicações edita boletim

get img2Já está a ser distribuído o boletim da Célula das Telecomunicações. Este número aborda aspectos ligados à PT/Altice, nomeadamente a necessidade de aumentos salariais e a vitória dos trabalhadores que, com a sua luta persistente, obrigaram o PS a aceitar alterações ao Código do Trabalho  relativas à trasmissão de estabelecimento. Aborda, ainda, problemas dos trabalhadores da NOS/Sinalcabo, bem como o Orçamento de Estado para 2018 e as alterações à lei de financiamento dos partidos.

Lê aqui o boletim em pdf.

Célula do Sector da Electricidade publica Boletim

012018bol electricidadeA Célula do PCP no Sector da Electricidade está a distribuir o seu Boletim de Janeiro, onde abordam situações relacionadas com o processo de liberalização do sector e as suas consequências, bem como questões diveras relativas à vida das empresas do sector.

Ler Boletim em PDF

PCP com os trabalhadores da Altice

pt 220118O deputado do PCP, Bruno Dias, esteve com os trabalhadores da PT na vigília que realizaram à porta da empresa. Os trabalhadores exigiam o regresso à empresa dos trabalhadores despedidos sob o falso pretexto das prestações de serviço. Na sua intervenção, o PCP sublinhou a importância de estar acordada a alteração ao Código de Trabalho sobre a «Transmissão de Estabelecimento», o que só aconteceu fruto da extraordinária luta dos trabalhores e da iniciativa do PCP, que obrigaram o PS a diversos recuos face à sua posição inicial, concluindo que, mais uma vez, se demonstra que vale a pena lutar!

10000 assinaturas na petição que exige Nacionalização dos CTT

ctt mtiagoO SNTCT foi hoje à Assembleia da República entregar o conjunto das assinaturas recolhidas na sua petição pela nacionalização dos CTT. Perto de 10 000 assinaturas que reivindicam que a Assembleia salve o serviço público postal através da renacionalização dos CTT. Miguel Tiago, do grupo parlamentar, expressou a solidariedade do PCP com a justa luta dos trabalhadores do CTT.

 

Múltiplas subcontratações para explorar cada vez mais!

O PCP, através dos seus deputados à Assembleia da República, confrontou o governo com alguns dos problemas que os trabalhadores do call center da Accenture que prestam serviço à Galp sentem no seu dia-a-dia. No requerimento pode ler-se: "

"Estes trabalhadores prestam serviço à Galp, através da Accenture, sendo na verdade contratados pela Randstad. Verificamos aqui várias contrações e subcontratações de serviço, sendo que quem fica prejudicado é sempre o trabalhador.
Estes trabalhadores auferem o salário minimo nacional como salário base, tendo alguns um prémio adicional de assiduidade ou produtividade, atribuído através de critérios altamente subjectivos. (...) Na verdade, o recurso à prestação de serviços para a grantia de necessidades permanentes da GALP, representa um recurso à precariedade com o objectivo de impor aos trabalhadores subcontratados menos direitos e salários muito abaixo do que os trabalhadores que integram o quadro da GALP. (...)"

Podes ler aqui o requerimento na íntegra.

NOS e Sinalcabo: lucros à conta da exploração dos trabalhadores!

direitosfuturo6-redimens

 O PCP questionou o Governo sobre a situação dos trabalhadores da Sinalcabo que prestam serviço à NOS: "O G.P. do PCP tem vindo a denunciar vários problemas com que se confrontam os trabalhadores do sector das telecomunicações, nomeadamente relativos à externalização de serviços e sub-contratação de trabalhdores. A NOS, empresa do sector, com mais de 6 mil trabalhadores só em Lisboa (mas que contam com apenas 2515 no plano nacional com contratos com uma empresa do Grupo), continua a utilizar as mais diversas formas para o aumento do seu lucro, sempre pela via da deterioração das condições de trabalho e da exploração dos trabalhadores."

Consulta aqui a pergunta completa em pdf.