O controlo de 50% do capital pelo Estado não é suficiente para defender a TAP!

20170727 tapgrupoA Célula da TAP está a distribuir aos trabalhadores um comunicado onde sublinha a posição do PCP sobre a medida do Governo de retomar o controlo de 50% do capital, e onde alerta para os perigos que se avizinham com a gestão privada e a implementação do plano estratégico. Um comunicado onde o PCP sublinha o papel fundamental que a organização, unidade e luta dos trabalhadores da TAP continuará a ter para a defesa da TAP, dos seus trabalhadores e dos interesses nacionais.

Ler Comunicado em PDF

Contra a alienação das Lojas Francas de Portugal: PCP exige respostas do Governo!

600LFPFace ao anúncio da venda das Lojas Francas de Portugal à multinacional VINCI (via ANA), o PCP questiona esta decisão, que representa a alienação de uma empresa lucrativa da TAP para proceder à capitalização da companhia, assim confirmando que os accionistas privados vieram buscar e não trazer à TAP.  Esta alienação, que o Governo deveria ter impedido, representa ainda o continuar de uma política de entrega progressiva da economia nacional às multinacionais, além de comportar novos perigos para os seus trabalhadores.

Ler Requerimento em PDF 

PCP promove Audição sobre o Grupo TAP

20161003 audicao tap assembleia republicaO PCP promoveu hoje uma Audição sobre a situação presente e futura do Grupo TAP, que reuniu um conjunto valioso de intervenções, com destaque para os contributos de diversas Organizações Representativa dos Trabalhadores do Grupo. O PCP sublinhou que passado menos de um ano sobre a ilegal privatização da TAP, é cada vez mais evidente que a TAP está a ser destruída, com muitos dos seus activos a serem directamente apropriados pela Azul e pelos capitalistas que continuam a dominar a gestão da empresa. O PCP comprometeu-se a intensificar a exigência de uma acção do Governo para travar o processo em curso, e sublinhou a importância de uma reversão plena do ilegal processo de privatização.

PCP exige respostas do Governo face às graves intenções reveladas dos accionistas privados da TAP

Cumprindo o compromisso assumido com os trabalhadores do Grupo TAP, o PCP confrontou o Governo com o conteúdo do documento que David Neeleman encomendou a uma consultora americana, e onde fica patente o seu projecto de destruição da TAP. O PCP, além de questionar o Governo sobre o seu posicionamento face a cada uma das mais graves intenções reveladas pelo citado documento, exortou ainda o governo a proceder à plena reversão da privatização ilegalmente decidida pelo Governo PSD/CDS.

Ler Requerimento em PDF

Estudo encomendado por David Neeleman aponta para a destruição da TAP

capa bcgtapFoi tornado público o estudo encomendado por David Neeleman a uma consultora americana que aponta para a brutal redução da TAP, degradando a oferta, reduzindo trabalhadores, alienando sectores estratégicos do Grupo. O PCP exige que o governo tome posição face ao grave conteúdo do mesmo e reforça a reivindicação do regresso da TAP à plena posse pública. O PCP apela ainda ao reforço da unidade, vigilância e luta dos trabalhadores do Grupo TAP.

Ler Comunicado em PDF

Oferta de acções da TAP aos trabalhadores é uma tentativa de burla, o que é preciso é travar a privatização!

20160719 tapgrupoA Célula do PCP na TAP/SPDH fez sair hoje um comunicado onde alerta para a burla e para a armadilha que o Governo está a montar com o processo de «venda aos trabalhadores» de 5% do Grupo TAP. Uma armadilha destinada a tornar os trabalhadores cúmplices de um processo ilegal e que está a destruir a TAP, uma burla que pode custar caro a quem nela se deixar envolver e uma máquina de vender ilusões sobre os mecanismos que os trabalhadores têm para defender os seus direitos. O PCP continua a apelar à luta contra a privatização da TAP.

Ler Comunicado em PDF

Decisão tardia da ANAC deve ser usada para acabar de vez com a privatização do Grupo TAP!

20022016 tapOntem, a ANAC (Autoridade Nacional da Aviação Civil) emitiu um parecer onde constata o que era óbvio há muito tempo para toda a gente séria: que quem controla a Gateway é David Neelman, e que esse controlo é ilegal à luz do Regulamento 1008/2008, tendo na prática travado o processo de privatização lançado pelo Governo PSD/CDS. Neste comunicado, o PCP sublinha a necessidade de acabar com a desestabilização da TAP (que dura desde 2011) acabando com as sucessivas tentativas de a privatizar. O PCP apela ainda ao Governo do PS para que não venha em socorro desta privatização com um acordo com a Gateway que «ultrapasse» as dificuldades colocadas pelos Regulamentos Comunitários. 

Ler Comunicado em PDF

PCP reafirma: acordo Governo/Gateway não serve a TAP nem o País!

No debate em torno da privatização da TAP, Bruno Dias afirmou que "o anterior governo PSD e CDS, ao longo de anos a fio, agiu como o principal inimigo da TAP, com a asfixia da companhia, com constrangimentos inaceitáveis, com condicionamento da gestão operacional, com a promoção da instabilidade laboral dos trabalhadores, entre outros. Para o PCP esta solução não corresponde às necessidades do país e é verdade que ao manter a maioria do capital em mãos públicas, aumenta as possibilidades de controlo público das decisões tomadas pela administração da TAP."

Acordo Governo/Gateway não serve a TAP nem o País!

tap2fev16A Célula do PCP na TAP/SPDH editou hoje um comunicado na sequência do negócio hoje tornado público entre o Governo e a Gateway. O PCP acusa o Governo do PS de estar a tentar legalizar uma privatização ilegal, exige a imediata intervenção do Governo num conjunto de vectores em que a administração privada tem imposto opções erradas e perigosas, e anuncia a imediata apresentação na Assembleia da República de um conjunto de iniciativas legislativas em defesa da TAP.

Ler Comunicado em PDF

A privatização da TAP tem de ser travada e revertida!

O PCP colocou ontem na Assembleia da República, uma vez mais, a necessidade de travar imediatamente o processo de privatização, e de libertar a TAP do bando de piratas do ar que neste momento a dirige na sequência do ilegal processo conduzido pelo anterior governo.

Ler Declaração em PDF