Trabalhadores em defesa da TAP pública

apresentação manifestoTapFoi apresentado por trabalhadores do sector aéreo e organizações representativas de trabalhadores um manifesto intitulado "Por uma TAP pública ao serviço do País", transformado em abaixo-assinado, que aponta a necessidade de o poder político não poder continuar a ceder aos interesses dos grupos económicos privados e de ter que assumir o desenvolvimento da empresa. Alerta ainda para que o futuro da empresa não passe pela descaracterização da companhia, pela redução do número de trabalhadores ou pela precarização das relações laborais. O PCP está solidário com as acções dos trabalhadores em defesa de uma TAP Pública e pelos direitos dos seus trabalhadores, como tem demonstrado nas suas posições e nas propostas apresentadas na Assembleia da República.

 
 
 

É urgente a defesa da TAP!

A Boston Consulting Group (BCG) foi a consultora seleccionada pelo Conselho de Administração para elaborar o plano de reestruturação da TAP. O PCP relembra que esta foi a consultora americana a quem David Neeleman, em 2016, “encomendou” o estudo que resultou num documento de enorme gravidade para o futuro da companhia, o "Projecto RISE".

 

O PCP denunciou na altura os seus eixos: um projecto de redução da TAP; um estudo que apontava para a redução de largas centenas de trabalhadores, com propostas de redução de rendimentos e direitos e com uma degradação das condições de trabalho; um projecto de reconfiguração indiferente ao interesse nacional e ao futuro da própria TAP.

O PCP denuncia e questiona o Governo sobre a escolha desta consultora para planear a reestruturação da TAP depois dos objectivos que saíram no seu anterior estudo, contrários à defesa desta empresa estratégica para o nosso País e à defesa dos seus trabalhadores.

Ler aqui comunicado

Ler aqui pergunta

 

Pela defesa da TAP e dos trabalhadores, a nacionalização é o caminho!

comunicado 3 julhoTAPO diferendo entre o Governo e os accionistas privados que se arrastava há quase um mês foi resolvido deixando de parte o cenário que mais defenderia a TAP: a sua nacionalização, assumindo o Estado a totalidade do capital, afastando completamente dos interesses privados.

O PCP reafirma que a TAP não pode estar sujeita aos interesses dos accionistas privados, que já demonstraram ser incapazes de defender a companhia. O PCP também afirma que a TAP não pode estar à mercê das imposições da UE, sendo a única companhia aérea a quem foi imposto que a concessão do empréstimo até 1200 milhões de euros pudesse ter como condição uma reestruturação da empresa, o que poderá querer dizer: redução de trabalhadores, diminuição da actividade ou até alienação de património.

A luta tem que continuar em defesa da TAP pública e dos seus trabalhadores!

Ler aqui o comunicado completo

Ler aqui pergunta à Comissão Europeia

Projecto-lei para a recuperação do controlo público da TAP e da SPdH/Groundforce

 

O PCP apresentou um projecto-lei para a recuperação do controlo público do Grupo TAP e da empresa de assistência em escala SPdH/Groundforce. É hoje claro que o capital privado não irá salvar a TAP, e que esta será destruída se nada for feito pelo Estado. Sendo indispensável o controlo efectivo destas empresas pelo Estado, na defesa do interesse nacional e dos direitos dos trabalhadores destas empresas, a proposta do PCP preconiza a adopção de uma posição maioritária pelo Estado no seu capital, e a recuperação integral de todos os direitos sobre a gestão que essa maioria deve implicar, independentemente das formas jurídicas que venham a ser assumidas.

Ler aqui o Projecto-Lei

Acto Público de Solidariedade com os trabalhadores do Sector aéreo

Accoes-01

O PCP irá realizar um acto público de Solidariedade com os trabalhadores do sector aéreo. Dia 23 de Abril, 5ª Feira entre as 11.30h e as 13h frente ao terminal de chegadas do terminal 1. Juntam-se neste acto solidário o deputado Bruno Dias e Armindo Miranda da Comissão Política do PCP.

Ler AQUI comunicado dirigido aos trabalhadores do Aeroporto Humberto Delgado. 

PCP questiona: vai o Governo travar o lay-off na TAP?

É necessário um plano para evitar a destruição e garantir o futuro da TAP. Um plano que passa no imediato pelo respeito integral dos direitos dos trabalhadores, assegurando os seus salários, sem despedimentos, preparando o caminho para que, assim que o transporte aéreo regresse à normalidade, a TAP possa dar resposta às necessidades do País.

 

A TAP precisa de meios para conseguir suportar vários meses sem as receitas decorrentes da sua operação e cumprindo o essencial dos compromissos a que está obrigada. Meios que poderão representar largas centenas de milhões de euros, mas que serão sempre inferiores aos custos da sua destruição. O Estado português deve assumir a responsabilidade no imediato pela gestão pública da empresa. Exigindo da União Europeia que cheguem à TAP os apoios já anunciados para o sector da aviação civil. Travando a entrega da empresa ao grande capital estrangeiro e transformando os recursos públicos – nacionais ou de fundos comunitários – que sejam necessários mobilizar para salvar a companhia, em capital social da empresa.

Por tudo isto, o PCP questionou, entre outras coisas, como vai o Governo travar o recurso ao anunciado lay-off na TAP.

Ler aqui a pergunta

Defender a TAP e os seus trabalhadores!

TAPfotoO PCP realizou hoje uma declaração pública onde defendeu que o Estado português deve assumir a responsabilidade no imediato pela gestão pública da empresa. Exigindo da União Europeia que cheguem à TAP os apoios já anunciados para o sector da aviação civil. Travando a entrega da empresa ao grande capital estrangeiro e transformando os recursos públicos – nacionais ou de fundos comunitários – que sejam necessários mobilizar para salvar a companhia, em capital social da empresa. Repudiou ainda todos os ataques feitos aos trabalhadores da TAP e de várias empresas da Aviação Civil.

 

Ver aqui a declaração

Defender a TAP pública é defender o povo e o país

tap2019novNa sequência de uma reunião com a Comissão de Trabalhadores da TAP, o Grupo Parlamentar do PCP questionou o Governo sobrea situação da companhia, particularmente sobre o processo de «joint-venture» com a Azul, que pode ser de catastróficas consequências para a TAP. Disso dá nota a Célula em comunicado.

Ver Comunicado em PDF (Página 1 e Página 2)

Ver pergunta em PDF

TAP precisa de voltar ao controlo público

20190607 tapgrupoA célula do PCP na TAP editou um comunicado aos trabalhadores sobre o mais recente desmando da gestão privada da TAP, desta vez o pagamento de prémios discricionários a alguns trabalhadores. No comunicado o PCP recorda não ser esta a primeira - nem a mais grave - opção errada da gestão privada, recorda igualmente quem entregou a empresa à gestão privada (PSD/CDS) e quem decidiu manter a gestão nos privados (PS), mas principalmente faz questão de sublinhar a imensa riqueza para o país que a TAP continua a representar, e que contnua a exigir o regresso da mesma ao controlo público.

Ler Comunicado em PDF 

PCP questiona governo sobre tentativa de aumentar a exploração na TAP

tapterraO PCP questionou o Governo, que tutela 50% do capital da TAP, sobre a mais recente tentativa de aumentar a exploração dos trabalhadores da TAP, com a tentativa de redução direitos e alargar custos aos trabalhadores quer no seguro de saúde quer no trabalho deslocado.

Ler Pergunta em PDF