Generalizam-se os ataques aos direitos dos trabalhadores no sector da vigilância

À semelhança de outras empresas do sector, na ESEGUR têm-se multiplicado o levantamento de processos disciplinares a trabalhadores com intenção de despedimento, numa atitude que tem como objectivo atemorizar os trabalhadores, precarizar as relações laborais e intensificar a exploração. Uma postura que tem contado com a cumplicidade do governo e das entidades pseudo-fiscalizadoras das condições de trabalho. Razão para que um conjunto de trabalhadores da empresa se tenham concentrado à porta da empresa, em solidariedade com um colega que aí realiza uma greve da fome (foto). O PCP expressa a sua solidariedade com a luta contra a exploração e a prepot~encia patronal, e exige do Governo e da ACT que gaçam cumprir as leis da República.

Editado Boletim dos Trabalhadores Comunistas na Vigilância

A Organização dos Trabalhadores Comunistas no Sector da Vigilância editou o seu Boletim de Julho / Agosto, onde aborda um vasto conjunto de questões relativas à classe, e onde saúda a unidade e determinação revelada pelos vigilantes dos Aeroportos dos Açores na luta que estão a travar em defesa das suas justas reivindicações. 

 

Ler Comunicado em PDF

Saiu o Boletim de Junho dos Vigilantes Comunistas

A Organização dos Trabalhadores Comunistas na Vigilância privada fez sair o seu Boletim de Junho, onde trata matérias como o 1º de Maio, a Marcha da CDU e a importância dos trabalhadores do Sector votarem na CDU nas eleições para o Parlamento Europeu.

 

Ler Boletim em PDF

Sector dos Vigilantes da ORL lança Boletim de Abril

Pode-se ler neste boletim informações sobre o Direito a Férias, de modo a que os trabalhadores deste sector possam conhecer os seus direitos e garantias. É feita referência à importância da luta organizada tendo como exemplo de resistência e acção a grande manifestação nacional que aconteceu no dia 13 de Março em Lisboa. O apelo à participação em massa, de todos os trabalhadores, nas jornadas de luta do 25 de Abril e 1º de Maio é também um factor de relevância neste boletim.

 

Ler Boletim em PDF

Vigilantes Comunistas editam Boletim

Os trabalhadores comunistas na Vigilância editaram o seu Boletim de Novembro / Dezembro, onde abordam questões como o direito à formação profissional e ao subsídio de natal, além de questões centrais da luta dos trabalhadores portugueses.

 

Ler página 1 e página 2 do Boletim

Vigilantes Comunistas editam novo Boletim

A Organização dos Vigilantes comunistas fez sair o seu Boletim de Setembro/Outubro, onde aborda temas como a discussão em curso sobre os vigilantes passarem a andar armados, a revisão salarial para 2009, a Festa do Avante e a luta contra o Código do Trabalho.

 

Ler o Boletim em PDF

Editado Boletim para os trabalhadores da Vigilância

O Boletim de Julho / Agosto da Organização dos Vigilantes Comunistas está já em distribuição, abordando matérias como a exploração desenfreada na CLSP - Segurança Privada Unipessoal, o aumento de injustiças em Portugal e as medidas que o PCP apresentou para aliviar a "corda na garganta" de tantos portugueses.

 

Ler Boletim em PDF  

Vigilantes Comunistas sobre os Direitos dos Trabalhadores do Sector

A Organização dos Trabalhadores Comunistas no Sector da Vigilância editou o seu boletim de Maio, onde aborda um conjunto de matérias de interesse relevante para os vigilantes, como seja o direito a férias e à remuneração justa das horas extraordinárias. A proposta do Governo de revisão gravosa do Código de Trabalho, e as manifestações do 25 de Abril e do 1º de Maio são outras matérias abordadas.

 

Ler Boletim em PDF 

Polivalência no Sector da Vigilância

A Organização dos Vigilantes Comunistas editou um novo Boletim, onde se denuncia a extrema polivalência que marca o sector. Abordam ainda a situação na empresa A. Oliveira.

Vigilantes Comunistas apelam à luta e unidade

Os Vigilantes Comunistas fizeram sair o seu Boletim de Janeiro / Fevereiro de 2008, onde tomam posição sobre a Negociação Colectiva para o Sector para 2008, e onde destacam os avanços já conseguidos no reforço da unidade e acção dos trabalhadores do sector, mas o muito que ainda é preciso avançar nesta linha de trabalho. O aumento de 2,91% para 2008 alcançado - nos seus aspectos positivos e negativos - é lido à luz desta realidade.

 

Ler o Boletim em PDF