Plenário de Trabalhadores do Metropolitano ratificam Acordo de Empresa negociado

plenariometro281016Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa ratificaram hoje em plenário a proposta de Acordo de Empresa negociado com a Administração da empresa. Uma vitória histórica num longo processo de luta, de resistência à ofensiva do anterior Governo PSD/CDS (que chegou a denunciar o AE para provocar a sua caducidade) e de afirmação do direito à contratação colectiva. A Célula do PCP valoriza o Acordo alcançado, pelo Acordo em si, pelo que significa no quadro da luta dos trabalhadores pelo trabalho com direitos e pelo reafirmação de que a luta é o caminho para a defesa e valorização dos direitos dos trabalhadores.

PS, PSD e CDS chumbam Alargamento do Passe Social Intermodal, BE Abstêm-se. PCP vai continuar a lutar!

O Projecto-Lei do PCP de Alargamento do Passe Social Intermodal foi hoje chumbado em votação na Assembleia da República, com os votos contra de PS,PSD e CDS, a abstenção do Bloco de Esquerda e os votos a favor de PCP, PEV e PAN. O PCP sublinhou a hipocrisia de PS, PSD, CDS e BE quando nos órgãos das Freguesia e Municípios da AML votaram favoravelmente esta proposta para depois trairem as populações na Assembleia da República. O PCP anunciou que vai continuar a luta pelo Alargamento do Passe Social Intermodal

PCP apresenta iniciativas legislativas sobre a idade limite para condução profissional e suas implicações

idadelimite2

Há profissões onde se coloca a necessidade de existência de limites para o seu exercício. O PCP sempre defendeu que os trabalhadores dessas profissões possam aceder à reforma sem penalizações derivadas desses limites. No caso dos motoristas, o novo Código da Estrada alarga o limite de idade dos 65 para os 67, sem apresentar qualquer justificação para essa alteração. Na sequência da petição organizada pela FECTRANS e dos apelos de outras ORT's, o PCP tomou agora a iniciativa de apresentar no parlamento duas iniciativas legislativas para corrigir a actual situação: uma Apreciação Parlamentar para alterar o Decreto-Lei que alterou o Código da Estrada e um Projecto de Resolução sobre a idade da reforma.

Ler Apreciação Parlamentar
Ler Projecto de Resolução

Moçao da CDU aprovada: CM Odivelas não abdica da regulamentação e de contingentes no táxi

taxi quadradoPor proposta dos eleitos da CDU, a Câmara Municipal de Odivelas aprovou uma moção onde critica o facto de o Governo se preparar para liberalizar o contingente de táxis, retirando na prática competências à Câmara Municipal. E sublinha que essa questão é exactamente a que divide Governo e sector do táxi, e tem motivado as lutas do sector.

Ler Comunicado em PDF

Em defesa da Contratação Colectiva: Unidade e Luta para alterar o OE2017

oe2017 seetransportesEm comunicado aos trabalhadores das empresas públicas de transportes, o PCP destaca os avanços e as insuficiências do Orçamento de Estado para 2017 no que respeita ao compromisso assumido pelo governo de repor o pleno direito à contratação colectiva nestas empresas. Um comunicado onde o PCP reafirma o seu compromisso de avançar com as propostas de alteração ao OE 2017, e onde sublinha a importância da unidade e luta dos trabalhadores para que essas alterações possam ser materializadas.

Ler Comunicado em PDF

PCP em defesa do sector do táxi e do interesse nacional

taxiilustrarO PCP está a distribuir aos profissionais do sector do táxi um comunicado sobre a ofensiva que está em curso contra o sector do táxi. No comunicado o PCP recorda as suas múltiplas intervenções em solidariedade com o sector (na própria manifestação, na acção das mulheres, na apresentação de um projecto-lei que viria a ser aprovado). E sublinha que o sector pode contar com a sua solidariedade na luta que continua contra a liberalização, contra a exploração, contra a ilegalidade.

Ler Comunicado em PDF

Contra os despedimentos na EMEF, PCP confronta Governo

precariedadecampanhaFace aos despedimentos que a Administração da EMEF está a patrocinar, o PCP confrontou o Governo com esta sua opção que, além de continuar a revelar um apoio à precariedade que se comprometeu a combater, implicará sérias implicações para os utentes, nomeadamente na Linha de Cascais já tão martirizada pelas erradas opções dos sucessivos governos. O PCP exige a imediata integração na EMEF dos trabalhadores precários que estão a ser despedidos, e que fazem falta todos à operação da empresa.

Ler Requerimento em PDF

PCP sublinha justeza das reivindicações do sector do táxi

joaoebruno maniftaxiO vereador João Ferreira e o deputado Bruno Dias foram o rosto institucional da solidariedade activa do PCP com a justa luta do sector do táxi. Uma luta contra a impunidade, pois o Governo nada faz para punir a actividade ilegal das multinacionais, ao mesmo tempo que crava o sector do táxi com multas e regulamentos. Uma luta contra a liberalização que o Governo prepara. Uma luta contra a precariedade e a exploração que querem generalizar.

PCP questiona governo sobre a sua passividade face à degradação da Portway às mãos da multinacional Vinci

handling portwayDepois de mais um acidente de trabalho que quase vitimou um trabalhador da Portway tornou-se mais evidente os perigos da política de repressão, incremento da exploração e degradação das condições de trabalho que está a ser imposta na Portway pela multinacional Vinci. O PCP confrontou o Governo com as suas responsabilidades e com a passividade com que está a (não) reagir a estes sucessivos atropelos.

Ler Requerimento em PDF

Respostas Urgentes: Metro necessita de mais trabalhadores!

quadrado metroO Governo e a sua Administração do Metropolitano de Lisboa continuam a adiar as respostas urgentes que o serviço público de transportes exige.Nas entrevistas, continuam as promessas, mas na empresa e no serviço pouco ou nada muda. Continuam a prometer a entrada dos mesmos 30 trabalhadores que, nas palavras de António Costa, iam entrar em Março deste ano. Na área comercial, para que as estações não estejam despidas de trabalhadores, o Metro necessita de mais 100 trabalhadores. Finalmente abriram o concurso mas o Governo limita-o a apenas os tais 30. Porquê? Porque não querem tomar as medidas urgentes que se impõe? Foram as perguntas que o PCP dirigiu ao Governo.

Ler Requerimento em PDF