CP Cascais: Decisões que adiam as decisões necessárias!

O Governo lançou uma empreitada para recauchutar a Linha Ferroviária de Cascais. É uma obra que não faz qualquer sentido nas véspera da prometida modernização da infraestrutura, pelo que só pode ser lida como um novo adiamento da solução do principal estrangulamento na oferta de transportes públicos na AML Norte. O PCP confrontou o Governo na AR com o significado desta sua decisão, exigindo que seja concretizada desde já a prometida e indiispensável modernização da infraestrutura e do material circulante.

Ler Requerimento em PDF

Por iniciativa do PCP, CML exige do Governo esclarecimentos sobre Santa Apolónia

Por iniciativa do PCP, a CMLisboa aprovou a 20 de Dezembro uma moção onde decidiu «Exigir ao Governo informação sobre esta iniciativa da IP/Infraesturas de Portugal e sobre a sua posição acerca do que foi anunciado por esse organismo público;» e «Tomar junto do Governo uma posição de defesa de mais este importante património da cidade de Lisboa, com todas as suas valências de transporte que actualmente tem capacidade para oferecer e que expresse claramente essa sua vontade e determinação;»  A luta das populações será decisiva para travar os interesses especulativos que pretendem retirar Santa Apolónia do serviço público para alimentar a especulação.

Ler Moção Aprovada

Não tomam as medidas para o Metro funcionar regularmente, mas continuam a prometer coisas extraordinárias!

req metro anonovoO Governo continua a proibir a Administração do Metropolitano de contratar os trabalhadores em falta: faltam maquinistas para repor a oferta; faltam operários para dar resposta à manutenção de equipamento e infraestrutura; faltam trabalhadores para as estações. E o Metro continua sem dar resposta ao seu serviço regular porque faltam trabalhadores. Ora se o Metro não tem trabalhadores para a sua operação regular, muito menos os tem para operações extraordinárias, mesmo que organizadas às três pancadas, sem respeitar os utentes e tentando intimidar os trabalhadores. O PCP volta a questionar o Governo exigindo a entrada dos trabalhadores em falta.

Ler Requerimento em PDF

A Ryanair tem que respeitar os direitos dos seus trabalhadores

req ryanair handlingO PCP confrontou o Governo com a passividade das autoridades portuguesas perante a sistemática e grosseira violação da lei pela Ryanair. Neste caso, são os trabalhadores do handling que justamente reclamam que a empresa lhes aplique a contratação colectiva a que têm direito. O PCP sublinha que perante o incumprimento da multinacional, nem ACT, nem ANAC, nem Governo interveem, deixando assim a multinacional impune.

Ler Requerimento em PDF

PCP exige respostas para as necessidades operacionais da EMEF

req emef declaraO PCP confrontou hoje o Governo, novamente, com a ausência de medidas para repor a resposta operacional na EMEF, onde é já o Presidente do Seu Conselho de Administração que reconhece que vão começar a parar (mais!) comboios se o Governo continua a proibir a entrada de trabalhadores. O mesmo governo que depois autoriza a entrada prestadores de serviços e de precários. São critérios inaceitáveis, que degradam a imagem das empresas públicas, prejudicam utentes e trabalhadores, e com os quais é preciso romper.

Ler Requerimento em PDF

Governo promete perdão de multas às multinacionais afrontando a lei em vigor

req multas uberSão graves as declarações do Secretário de Estado dos Transportes, prometendo às multinacionais UBER e CABIFY um perdão das multas que lhe estão a ser aplicadas devido à lei. Graves porque um membro do Governo atreve-se a assumir publicamente que as leis só são para cumprir por alguns, e que é o Governo quem pode decidir quem tem que obedecer à lei e quem de tal está dispensado. Graves porque confirmam as responsabilidades do governo no continuado funcionamento ilegal e impune de multinacionais em concorrência desleal com o sector do táxi. Face à gravidade destas declarações, o PCP optou por chamar o seu autor a prestar esclarecimentos na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

Os trabalhadores do Metro e o Orçamento de Estado para 2018

capametro17dezEm comunicado aos trabalhadores a Célula do PCP no Metropolitano de Lisboa dá conta da sua avaliação do Orçamento de Estado para 2018, apontando as suas insuficiências, os avanços que materializa e as oportunidades que abre para a conquista de importantes reivindicações dos trabalhadores como seja a valorização salarial e a contratação dos trabalhadores em falta.

Ler Comunicado em PDF

Boletim do Sector Ferroviário valoriza resultados da luta no agente único e no OE 2018

bol ferr dez 2017Está em distribuição o Boletim de Dezembro do Sector Ferroviário, onde: se valoriza a vitória alcançada na luta contra a implementação do Agente Único, alertando no entanto para a necessidade de continuar mobilizados e activos até ao final do processo de negociação agora iniciado; se valoriza os avanços no OE 2018, mas se alerta para a necessidade de, através da luta organizada, aproveitar as oportunidades abertas para a valorização remuneratória e para a melhoria das condições de trabalho no sector.

Ler Comunicado em PDF

ANAC continua a adiar saída das licenças de handling em Lisboa beneficiando a multinacional Vinci

req anac concO PCP solicitou à Comissão de Economia da Assembleia da República a que exija da ANAC esclarecimentos cabais face ao sucessivo adiamento das licenças de handling no Aeroporto de Lisboa. Um comportamento que beneficia a Portway (presidida anteriormente pelo Presidente da ANAC) e prejudica a SPDH, e muito contribui para a desregulamentação das relações laborais que prejudica todos os trabalhadores e só beneficia a multinacional Vinci e as operadoras aéreas.

Ler Requerimento em PDF

É possível. É urgente. Transportes Públicos de Qualidade!

20171206desfiledefesatransportespublicosqualidadelisboa1O PCP promoveu uma Marcha em Lisboa exigindo do Governo respostas aos problemas urgentes que afectam os transportes públicos. Na sua intervenção, Jerónimo de Sousa destacou a situação no Metropolitano, onde a não contratação dos trabalhadores em falta está a degradar a operação a níveis nunca antes vistos. No final da Marcha, foi aprovada uma resolução que foi entregue ao Ministro do Ambiente.

Ler Intervenção deJerónimo de Sousa