Defender a TAP e os seus trabalhadores!

TAPfotoO PCP realizou hoje uma declaração pública onde defendeu que o Estado português deve assumir a responsabilidade no imediato pela gestão pública da empresa. Exigindo da União Europeia que cheguem à TAP os apoios já anunciados para o sector da aviação civil. Travando a entrega da empresa ao grande capital estrangeiro e transformando os recursos públicos – nacionais ou de fundos comunitários – que sejam necessários mobilizar para salvar a companhia, em capital social da empresa. Repudiou ainda todos os ataques feitos aos trabalhadores da TAP e de várias empresas da Aviação Civil.

 

Ver aqui a declaração

PCP repudia despedimentos na CarrisTur

A pandemia criada pelo Covid19 não pode servir de justificação para pôr em causa postos de trabalho e a salvaguarda de direitos dos trabalhadores. Para além de denunciarmos a situação de precariedade destes trabalhadores e o facto de não pertencerem aos quadros da Carris, detentora da CarrisTur, quando há anos que trabalham para a empresa, afirmamos que o contexto actual não pode ser pretexto para «descartar» os trabalhadores com vínculos precários. E confrontámos o Governo sobre esta situação, que se passa numa empresa que é pública.

 

 Ler aqui a pergunta

PCP exige protecção para os trabalhadores do Aeroporto

Perante a falta de condições de protecção dos trabalhadores de vários sectores do Aeroporto de Lisboa, assim como em outros aeroportos nacionais, sujeitos ao contacto com inúmeros passageiros e objectos dos mesmos, o PCP questionou o Governo sobre esta situação e exigiu intervenção. Como exemplos, não estava a ser garantido o espaço de segurança entre pessoas nem, em vários casos, material básico como luvas e desinfectante. 

Ler aqui a pergunta

PCP exige que Governo actue perante encerramento da Empresa de Trabalho Portuário

O PCP questionou e exigiu a intervenção do Governo perante o encerramento da Associação - Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa que aconteceu no dia de hoje. Estamos perante uma situação de gestão com contornos fraudulentos que está a deixar dezenas de trabalhadores na eminência de um despedimento colectivo, trabalhadores estes que estão em luta e que continuam com salários em atraso.

 

Ler aqui a pergunta

 

Deputados do PCP presentes no Porto de Lisboa

 Esteve hoje presente no piquete de greve dos estivadores do Porto de Lisboa uma delegação do PCP com os deputados Bruno Dias e Duarte Alves, prestando solidariedade a estes trabalhadores que lutam para defender o seu direito ao trabalho com direitos e pelo cumprimento das leis da República, que punem a gestão danosa e a fraude, e para que as Autoridades Portuguesas intervenham em defesa do trabalho, da economia e da soberania nacional.

Encontro com trabalhadores sobre «Material circulante e produção nacional»

 Hoje realizou-se na Casa do Alentejo, em Lisboa, um encontro com Organizações Representativas dos Trabalhadores do sector ferroviário, com a presença de Jerónimo de Sousa, secretário geral do PCP, onde se apresentou a análise e propostas do partido relativamente à situação do material circulante no país.

Continuar...

PCP solidário com a luta dos estivadores do Porto de Lisboa

estivadores

A multinacional turca Yildirim e o restante patronato da Estiva no Porto de Lisboa anunciaram hoje a intenção de provocar a insolvência da Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa (ETPL).

Para se perceber os contornos do processo em curso, em tudo com elementos fraudulentos, é preciso perceber que os donos da ETPL (as empresas de Estiva do Porto de Lisboa) são os seus clientes e que nos últimos anos descapitalizaram a empresa a seu favor através do simples mecanismo de vender a si próprios serviços abaixo do custo de produção.

O PCP volta a exigir a intervenção do Governo para travar o processo em curso, defender os postos de trabalho e a economia nacional, sublinhando que a República tem todos os instrumentos necessários para tal, nomeadamente intervencionando imediatamente a ETPL impedindo a sua destruição pelo patronato.

Continuar...

PS/PSD e CDS chumbam propostas do PCP para alargar oferta na CP Lisboa

fev ferroviaO PCP apresentou duas propostas de alteração ao Orçamento de Estado dirigidas a aumentar a oferta na CP Lisboa (e não  só). Uma, que determinava o lançamento em 2020 dos concursos para aquisição dos comboios necessários à CP Lisboa. Outra, que acabava com as limitações à contratação dos trabalhadores necessários à operação. Ambas as propostas foram chumbadas por PS e PSD, com o contributo do CDS numa delas. Que continuaram a optar por canalizar as verbas para o bolso de especuladores, banqueiros e outros  grandes capitalistas.

Ler Comunicado em PDF

OE 2020: Aprovada proposta do PCP que chumba Linha «Circular» e aponta expansão para Alcântara e Loures

fev linha circularNo quadro da discussão sobre o Orçamento de Estado, o PCP fez aprovar uma proposta sua que suspende a construção da Linha «Circular» e determina a canalização das verbas que ai iam ser desperdiçadas na expansão a Alcântara e Loures. O Governo reagiu semeadando mentiras descaradas, como as perdas de fundos que tal decisão acarretaria, e dando ordens à administração do Metro para não cumprir as decisões da Assembleia da República e acelerar a assinatura de contratos. Continua assim o PS a tentar impor a linha circular contra tudo e todos (mais precisamente, contra quase tudo e quase todos, pois há uns especuladores imobiliários que aplaudem a opção). 

Ler Comunicado em PDF

15 mil assinaturas dos utentes a dar força às propostas do PCP de alteração ao OE 2020

20200203 142052A DORL do PCP entregou ao Grupo Parlamentar do PCP os quase 15000 postais recolhidos na campanha desenvolvida nos últimos 15 dias «Por Mais e Melhores Transportes Públicos - É preciso optar pelo povo e pelo país!», onde os utentes exigiram a orçamentação das verbas em falta para os transportes públicos. O deputado Bruno Dias deu conta das propostas já apresentadas pelo PCP para alterar a proposta de OE2020, nomeadamente para aumentar as verbas do PART, para impor o lançamento de concursos em 2020 para a aquisição de comboios para a CPLisboa, para travar o desperdício de dinheiro na Linha Circular e levar antes o Metro a Loures e Alcântara e para permitir a contratação dos trabalhadores em falta nas empresas públicas.