CDU promove Audição «O Tejo, o Trabalho e a Cidade»

audicao20170504A CDU realizou hoje uma Audição sobre «O Tejo, o Trabalho e a Cidade» com um conjunto de Organizações Representativas dos Trabalhadores dos sectores Fluvial, Marítimo e Portuário (aceitaram o convite a Fectrans, o Sindicato dos Estivadores, o OficiaisdeMar, o Simamevip, o Sindicato dos Fluviais, o SNTSF e a CT da Transtejo). Na sua intervenção João Ferreira começou por sublinhar que «Ao longo dos anos tornou-se comum ouvir falar da necessidade de “devolver o Tejo à Cidade”. Muitas vezes essa perspectiva – em si justa – ficou associada a uma visão amputada da Cidade, a visão que esquece que é o trabalho e a forma como nos organizamos para trabalhar que estrutura a Cidade e determina a qualidade de vida na Cidade», para depois integrar um conjunto de propostas e reivindicações na visão de Cidade pela qual a CDU se compromete a trabalhar.

 

Ao longo dos anos tornou-se comum ouvir falar da necessidade de “devolver o Tejo à Cidade”. Muitas vezes essa perspectiva – em si justa – ficou associada a uma visão amputada da Cidade, a visão que esquece que é o trabalho e a forma como nos organizamos para trabalhar que estrutura a Cidade e determina a qualidade de vida na Cidade.

Em defesa do sector marítimo-portuário e da economia nacional

quadr mpO PCP confrontou o governo com um conjunto de questões relativas ao Sector Marítimo-Portuário: questionou a forma como se está a exigir os certificados médicos aos marítimos (ler); alertou para o definhar do 1º registo nacional e para as dificuldades que isso está a trazer aos praticantes e marítimos (ler); apontou para a necessidade de um serviço nacional de dragagens (ler) e para a possibilidade de dar uma resposta nacional ao serviço de bancas (ler); denunciou o facto dos serviços de inspecção de navios estarem a ser desmantelados (ler). Tudo reflexos da política de direita que continua a ser imposta no sector, e pistas de uma rumo diferente que a economia nacional deveria seguir igualmente neste sector,

Reestruturação da EMEF prepara a sua privatização!

20170502ferroviariosO PCP está a distribuir aos ferroviários um comunicado sobre a reestruturação da EMEF que estão a tentar impor. O PCP sublinha que a separação da empresa em duas tem como objectivo contornar as objecções técnicas colocadas pelo Tribunal de Contas à realização de uns contratos entre a CP e a EMEF que só fazem falta... ao processo de privatização. O PCP apela à vigilância, à unidade e à luta dos ferroviários contra esta reestruturação.

Ler Comunicado em PDF

PCP avança com apreciação parlamentar para reverter fusão do GISAF e do GPIAA

Cumprindo um dos compromissos assumidos na Audição Pública sobre «Segurança e Fiabilidade na Ferrovia» (na foto), o PCP apresentou hoje um Projecto de Apreciação Parlamentar ao Decreto-Lei do Governo que fundiu o GISAF e o GPIAA, ou seja, que decidiu fundir a investigação de acidentes ferroviários e aeronáuticos. Uma medida errada, perigosa e que omite a necessidade de aumentar o investimento nesses organismos em vez de prosseguir as poupanças cegas que acabarão por sair muito caras ao país, e que a Assembleia da República deve agora anular.

Ler Projecto de Apreciação Parlamentar 

Contra a liberalização do Sector do Táxi: a luta continua!

comunicadotaxi20170403A Célula do PCP no Sector do Táxi está a distribuir um comunicado aos profissionais do Sector onde faz um ponto da situação da luta contra a liberalização. Um comunicado onde se abordam as propostas de lei do Governo e do BE (que criariam um novo regime) e as propostas de alteração que o PCP apresentou que desarticulariam os aspectos gravosos contidos na proposta de Governo. Um comunicado onde se aborda ainda a luta pela aplicação da lei com as autoridades a serem progressivamente obrigadas a actuar contra as ilegalidades.

Ler Comunicado em PDF

Editado Boletim do Sector Ferroviário: Prioridade à segurança e fiabilidade

bol ferr abril 17aEstá em distribuição o Boletim de Abril do Sector Ferroviário do PCP. Nele se abordam questões como a Audição do Partido sobre «Segurança e Fiabilidade na Ferrovia», a precariedade na EMEF, a situação da reposição do primado da contratação colectiva e a reversão dos roubos por via do OE e do DL 133/13, a inauguração do R1 do Alfa Pendular, e ainda se inclui um artigo com perguntas e respostas sobre as alterações ao Regulamento Geral de Segurança RGS 1.

Ler Boletim em PDF 

Trabalhadores da EMEF concentrados frente à sede da empresa em luta pelo Caderno Reivindicativo

20170328 110158Os trabalhadores da EMEF estiveram hoje em luta em defesa do seu Caderno Reivindicativo, contra a precariedade, pela contratação colectiva e contra os baixos salários. No quadro de uma greve com elevada adesão, estiveram concentrados à porta da Administração na Amadora (foto) e à tarde os mais jovens juntaram-se à manifestação da juventude trabalhadora.

PCP promove Audição às ORT's do Metropolitano de Lisboa

20170324 175513Face à situação que se vive no Metropolitano, o PCP promoveu na Assembleia da República no dia 24 de Março uma Audição às ORT's da empresa. Uma reunião onde se confirmaram as preocupações com o adiamento das medidas operacionais urgentes que se impõe, com um clima que prevalece de perseguição aos trabalhadores, e com a crescente degradação da segurança e fiabilidade da operação. O PCP comprometeu-se a avançar com um conjunto de novas iniciativas legislativas para obrigar o Governo a romper com o caminho de degradação da empresa que o anterior governo lançou para conseguir privatizá-la.  

Adiamento das medidas urgentes continua a degradar a oferta no Metropolitano de Lisboa

metrocorteamadoraA partir do dia 27 de Março a oferta do Metropolitano sofre uma nova degradação, desta vez com o corte para metade das circulações na hora de ponta para as três estações da Amadora: Alfornelos, Amadora Este e Reboleira. A administração justifica-se com a falta de material circulante, que é real, mas o PCP destaca que ainda não foram tomadas medidas essenciais para repor a capacidade de resposta das oficinas (contratação de trabalhadores, reabertura do PMO2 nas calvanas). Os trabalhadores têm propostas (que a administração recusa sistematicamente) para organizar a produção com os actuais meios,  mas o governo continua a adiar resposta, a fazer promessas e a deixar degradar a situação. O PCP questionou o Governo na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

Trabalhadores da CarrisBus vítimas de sobreexploração exigem respostas da Câmara Municipal de Lisboa

20170323 carrisbusOs trabalhadores da CarrisBus estão em luta contra a precariedade e a exploração e pelo direito à contratação colectiva. Hoje concentraram-se em frente da CMLisboa, a quem têm uma reunião pedida há meses sem qualquer resposta do Presidente da Câmara. Quem desceu para falar com os trabalhadores em luta foi o Vereador da CDU, João Ferreira, que deu conta das questões que já colocara na reunião, e assumiu o compromisso de continuar a exigir que a Câmara aceda às justas reivindicações destes trabalhadores. Na concentração interveio ainda Arménio Carlos, Secretário-Geral da CGTP-IN.