Sector do Táxi: Posição Pública de Apelo ao Voto na CDU

taxicdu.pngPara um vasto conjunto de cooperantes, micro, pequenos e médios empresários do sector do táxi, as eleições de 7 de Junho assumem-se como uma oportunidade muito importante para afirmarem a necessidade da ruptura com a política de direita em Portugal e na Europa, e para se assumir o voto na CDU, o único voto consequente que serve os interesses do país e do sector. Razões que os levaram a dirigir um apelo público ao voto na CDU.

Continuar...

Também na Carris, o Voto na CDU é o que faz falta a quem trabalha!

carriscdu.jpg.pngUm vasto conjunto de trabalhadores da Carris, em Lisboa, dirigiu a todos os trabalhadores da Empresa um apelo ao Voto na CDU nas próximas eleições de 7 de Junho, sublinhando, nas razões para votar CDU, que foram os deputados da CDU que estiveram ao lado de quem trabalha no Parlamento Europeu (incluindo em questões tão importantes para os trabalhadores da Empresa como a liberalização do transporte de passageiros e o tempo de trabalho dos motoristas), e que é o voto na CDU o único que em Portugal pesa para se afirmar a necessidade de mudança de rumo em Portugal.

Continuar...

Ferroviários Apelam ao Voto na CDU

ferr.jpgMais de 100 ferroviários membros das Organizações Representativas dos Trabalhadores do Sector dirigem este Apelo ao Voto na CDU, onde sublinham a importância de levar a luta até ao voto. Quando em Bruxelas se decide - com a concordância unanime de todos os partidos da política de direia (PS, PSD e CDS) a liquidação do Sector Público Ferroviário, e quando em Bruxelas e em Portugal se atacam os direitos de quem trabalha, o voto na CDU é o único que dá força a resistência a esta ofensiva e projecta a necessária alternativa.

Ler Comunicado em PDF

 

Por 60%, trabalhadores do Metro elegem Amável Alves para a Comissão de Fiscalização

dsc_0089.jpg

Realizaram-se hoje as eleições para o representante dos trabalhadores na Comissão Fiscalizadora do Metropolitano de Lisboa. Amável Alves, membro do CC do PCP, foi eleito por 60% dos votos expressos, numas eleições onde participaram 7 outros candidatos e perto de 700 trabalhadores. Esta eleição, hoje rara quando a contra-revolução já destruiu muito dos mecanismos que facultavam aos trabalhadores algum controlo da gestão, deve ser um estímulo à luta por um maior controlo da gestão por parte dos trabalhadores, numa situação social onde os grupos económicos privados destroem empresas e emprego (incluindo no sector público, que hoje instrumentalizam) na busca de lucros e da manutenção dos seus previlégios.

PCP visita infantário da CP na Parede

infantario_cp.jpgO PCP promoveu uma visita ao infantário na CP na Parede, na qual participaram os eleitos do PCP Bruno Dias, na AR, e Pedro Mendonça, na CM Cascais. Teve esta visita o objectivo de aprofundar o conhecimento sobre este serviço, que já há uns tempos esteve ameaçado de extinção por parte da Administração da CP. Na altura, a luta dos trabalhadores conseguiu defender os infantários da CP. O PCP comprometeu-se a colocar na AR e na CM Cascais um vasto conjunto de preocupações que lhe foram transmitidas.

Crescem os apoios à CDU: É preciso levar a luta até ao voto!

logoluta.jpgReunindo mais de 100 apoiantes, saiu o Comunicado das Comissões de Apoio à CDU no Sector dos Transportes do Distrito de Lisboa, onde se sublinha que "É preciso levar a luta até ao voto!", e se apela à participação na Marcha da CDU de 23 de Maio e nas eleições de 7 de Junho, votando CDU. E onde se sublinha a importância - para a defesa dos direitos dos trabalhadores e para conquistar a necessária Mudança de Rumo para Portugal - de prosseguir a luta e levá-la até ao voto.

Ler Comunicado em PDF

Continua a luta na EMEF: Pelos direitos de quem trabalha, pelo futuro da empresa!

emef_luta.jpgTrabalhadores da EMEF, membros da sua Comissão de Trabalhadores e do Sindicato dos Ferroviários (SNTSF) estiveram hoje concentrados em frente às novas instalações da EMEF na Amadora, exigindo ser recebidos pela Administração da Empresa. Em causa o agravamento da precariedade na Empresa, os ataques aos direitos e aos salários em curso, e o futuro da Empresa, que pode e deve desempenhar um papel estratégico no sector ferroviário nacional.  

Lojas Francas de Portugal: Aumento de Lucros e Congelamento Salarial. A luta é o caminho!

lfp.jpgAs Lojas Francas de Portugal, cujo capital maioritário pertence à TAP (ou seja, é tutelada pelo Governo), anunciaram simultaneamente o crescimento de lucros em 2008, a previsão de lucros para 2009, e o congelamento dos salários dos seus trabalhadores. Fica assim (mais uma vez) bem patente que a contenção salarial é SEMPRE um objectivo do patronato. E que só a acção colectiva e organizada dos trabalhadores pode inverter o actual rumo de crescimento permanente da sua exploração. O PCP, ao mesmo tempo que apela à luta dos trabalhadores desta empresa, questiona o Governo na Assembleia da República sobre as orientações que deu para esta empresa, que desmascaram a verdadeira matriz das suas políticas. 

Ler Requerimento em PDF

EMEF: A verdadeira face da política do PS posta a nú

O PCP avançou na Assembleia da República com um requerimento sobre a EMEF, empresa pública onde os dados do Balanço Social de 2008 demonstram dois dados claros sobre a política real que o Governo pratica nas Empresas Públicas e promove nas privadas: um aumento de 53% nos custos com os órgãos sociais e um aumento continuado da precariedade laboral (aumenta para o triplo em dois anos!).

Ler Requerimento

PCP saúda determinação dos trabalhadores da REFER

refer29042009.jpgO PCP apresentou na Assembleia da República um requerimento ao Governo exigindo explicações sobre a repressão dos trabalhadores da REFER no passado dia 23 de Abril (Ler Requerimento Aqui). Hoje, realizou-se um plenário de activistas sindicais e das ORT's da Refer (na foto), convocado em resposta à repressão da luta de dia 23, que agora já foi recebido pela Administração da Empresa, onde entregou uma resolução com as suas reivindicações. O PCP saúda esta mudança de atitude da Administração da REFER, mas saúda principalmente a determinação e luta dos trabalhadores que a impuseram.