"MEO escuta os teus trabalhadores estão em luta!"

2017-06-30 14.32.43siteA Organização Regional de Lisboa do PCP saúda os trabalhadores dos call centers e backoffice da PT-MEO estiveram em greve a 30 de Junho e concentraram-se frente ao edifício da PT nas Picoas em Lisboa. A concentração que juntou mais de 150 trabalhadores de call centers e serviços de backoffice do Porto, Coimbra, Castelo Branco e Lisboa associados do Sindicato Nacional dos Trab. de Telecomunicações e Audiovisual - SINTTAV e do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações - SNTCT - constituiu uma grande afirmação de combatividade, pelo emprego com direitos e contra a precariedade.

Precariedade é para banir, Governo tem de agir, MEO escuta os TEUS trabalhadores estão em luta, A luta continua na empresa e na rua, Basta de exploração, precariedade não, É urgente e necessário o aumento do salário, foram algumas das palavras de ordem que os trabalhadores em uníssono dirigiram à PT-MEO que se tem mantido silenciosa face às reivindicações dos trabalhadores.

 

Na concentração, os trabalhadores denunciaram a situação escandalosa que se vive actualmente na empresa, com trabalhadores a exercerem exactamente a mesma função, no mesmo posto de trabalho ao serviço da PT-MEO, alguns há mais de 20 anos, mas mantendo um vínculo a empresas de trabalho temporário e outsourcing como a Manpower, Randstad, Egor, entre outras. Os trabalhadores, na sua larga maioria a receberem o SMN, denunciaram também a falta de condições de trabalho, o desrespeito e atropelo de direitos e a pressão e repressão vivida no sector, considerando que a situação de subcontratação que se verifica é apenas um instrumento para a prática de baixos salários e para manter os trabalhadores manietados e numa pior situação para defender os seus direitos, enquanto as empresas que subcontratam lucram milhões anualmente.

 

Nesta acção de luta esteve presente uma delegação do PCP que integrou o deputado à Assembleia da República, Miguel Tiago, que reafirmou a solidariedade do PCP para com a luta destes trabalhadores e lembrou que a situação de precariedade que vivem, com a recusa da PT-MEO em integrá-los e em assegurar os direitos que deveria no plano salarial, de valorização de carreira e segurança no posto de trabalho, tem sido por várias vezes denunciada pelo grupo parlamentar do PCP e alvo de intervenção parlamentar.

 

A greve teve adesões significativas em muitos pontos do país, por exemplo na Afonso Costa, em alguns pisos com mais de 200 trabalhadores apenas 3 ou 4 estavam a trabalhar. Os trabalhadores afirmaram estar preparados para continuar a lutar para que a cada posto de trabalho permanente corresponda um vínculo efectivo com a empresa que usufrui do serviço, até porque a situação alastra-se a muitos outros call centers de outras operadoras de telecomunicações.