Comício do PCP - Defender, Repor e Conquistar Direitos

20171006 comicio pcp vfxPerante o salão dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca de Xira completamente cheio, o PCP realizou no passado dia 6 de outubro um comício com a participação de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral do PCP.

 

Luís Caixeiro, membro do Comité Central do PCP e responsável pela Organização Concelhia de Vila Franca de Xira do PCP afirmou na sua intervenção que "aos muito que estiveram connosco, muitas vezes embalados pela perspectiva justa de ganhar a Câmara, dizemos:

continuem, continuem na luta, muitos de vós não são nem serão comunistas, outros mais cedo ou mais tarde chegarão a este Partido, mas todos têm um papel. Dissemos tantas vezes a quem nos afirmava não ir votar: “Vote, não deixe que outros decidam por si”. Pois agora e a vós dizemos “Participa, faz, não deixes que outros façam contra ti”.

 

Ver intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral

 

 

 

Intervenção de Luís Caixeiro, membro do Comité Central do PCP e responsável pela Organização Concelhia de Vila Franca de Xira do PCP

Caros camaradas e amigos,

 

Ainda não é hoje que podemos dizer “estamos num concelho CDU, estamos num concelho em que o poder municipal está nas mãos do povo para servir o povo…”. Mas camaradas e amigos, podemos dizer - dizendo a verdade - “aqui estamos, como sempre estivemos, para, sob todas as circunstâncias - dinamizar, organizar e dirigir a luta por um concelho melhor para se viver e trabalhar”.

 

E podemos dizer, dizendo uma vez mais a verdade, que não há realidades eternas, que as realidades se transformam e por isso, dentro de quatro anos, o concelho de Vila Franca de Xira será CDU. Essa é uma necessidade para os trabalhadores e para o povo do concelho, essa é uma necessidade para o seu desenvolvimento. Não temos duvidas e temos o nosso empenhamento.

 

Quem conhece o PCP e os seus aliados na CDU – o PEV, os companheiros da ID e muitos outros democratas e patriotas sem partido - sabe, não andamos aos tirinhos na feira de Outubro. Andamos sempre, todos os dias, todo o ano. Onde e sempre que é preciso. E não corremos com vistas curtas, olhamos bem em frente e bem longe.

 

Camaradas e amigos,

 

Terminámos esta batalha das eleições autárquicas que no distrito de Lisboa resultou na continuação da afirmação da CDU como a grande força portadora de um projecto autárquico capaz de servir as populações e garantir o desenvolvimento dos concelhos, das freguesias e das localidades.

 

Mantivemos as presidências das Câmaras de Loures e Sobral Monte Agraço e de 14 Freguesias. Elegemos directamente 352 candidatos. Não ignoramos que tivemos, no plano do distrito, recuos importantes designadamente a perda de vereadores nos concelhos da Azambuja, Mafra, Loures, Amadora, Odivelas e Torres Vedras. Foi neste quadro exigente que consolidámos posições, e até aumentámos a massa eleitoral, para as câmaras municipais de Lisboa, Loures e Oeiras.

Neste concelho de VFX, subimos de votação para a Câmara Municipal, para a Assembleia Municipal e para o conjunto das Assembleias de Freguesia. Este facto tem um valor por si só, significa que mais gente confiou na CDU. A todos os que votaram na CDU e especialmente aos que pela primeira vez o fizeram daqui vos queremos afirmar, não ficarão desiludidos: nem sempre conseguiremos aquilo a que nos propomos, mas sempre nos empenharemos fazendo jus ao lema Trabalho, Honestidade e Competência. Mas também vos afirmamos: não esperem que os eleitos, mesmo os da CDU, resolvam todos os problemas com passos de magia. Mobilizem-se, participem, lutem e contarão em todas as contendas justas, não só com os eleitos da CDU, mas com toda a organização do PCP.

 

Ainda no concelho de Vila Franca de Xira é de referir a manutenção da presidência das Freguesias e Uniões de Freguesia de Castanheira do Ribatejo e Cachoeiras, de Alhandra, São, João dos Montes e Calhandriz e de Vialonga. A conquista da União das Freguesias de Alverca e Sobralinho, agora alcançada, retoma para o quadro da CDU duas importantes e históricas freguesias. É certo que um conjunto variado de factores nos impediu de manter a presidência da Freguesia de VFX e conquistar a União de Freguesias da Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa. Mas não restem quaisquer dúvidas: o povo destas freguesias pode contar com a nossa intervenção, com as nossas forças, com o nosso empenho.

 

Camaradas e amigos,

 

Enganam-se, entretanto, os que fazem o balanço de qualquer batalha eleitoral apenas pelos seus resultados expressos nas urnas. Esse é o balanço dos eleitoralistas, dos que caçam votos hoje para os desprezar no dia seguinte. Para nós o balanço tem de ser bem mais profundo.

 

Embora se diga aqui pela cidade VF que não somos piores nem melhores somos diferentes neste contexto talvez não tenhamos sido assim tão diferentes do resto das candidaturas da CDU por este distrito e assim vale a pena olhar para o exemplo desta nossa candidatura.

 

Do ponto de vista publico colocámos pés ao caminho em Março e percorremos todo o concelho, algumas das localidades e lugares mais do que duas e três vezes, fizemos milhares de KM (os mais de 1200 que a Regina registou pessoalmente temos de multiplicar pelas centenas de activistas empenhados neste embate), reunimos com centenas de instituições, ouvimos e integrámos opiniões de centenas de pessoas. Ouvimos e consideramos mesmo pessoas que sabíamos que não votariam na CDU, mas que têm um conhecimento e uma experiencia própria sobre a qual vale a pena reflectir.

 

Fizemos uma campanha de massas e muito intensa. De massas não só pelas grandes iniciativas – como o almoço no Pavilhão do Cevadeiro com 1200 pessoas, o Comício em Alverca ou a loucura de fazer 7 arruadas no último dia da campanha eleitoral e ainda dançar no concerto da Brigada Victor Jara e acabar o dia em convivido na feira de Outubro. Uma campanha de massas pelo estilo de trabalho e de contacto com milhares de pessoas nas ruas, nos locais de trabalho, nas instituições.

 

Uma campanha de massas porque aprendemos melhor os problemas e aspirações do nosso povo. Uma campanha de massas porque junto do nosso povo fomos também encontrando as soluções para esses problemas.

 

Fizemos uma campanha que determinou o debate politico. Foram os outros que tiveram de dar resposta às nossas propostas e à nossa intervenção. Fizemos uma campanha dinâmica e de confiança, de envolvimento de muitos camaradas e amigos, de aprofundamento do conhecimento dos problemas e das pessoas, de desmistificação de preconceitos - quer em relação ao Partido, quer do Partido em relação a outros.

 

Conseguiremos identificar inúmeras coisas mal feitas ou feitas insuficientemente no plano da propaganda, da valorização dos apoiantes, do envolvimento de determinados sectores, de conversas que se deveriam ter feito, etc, etc. Mas camaradas e amigos que grande trabalho fizemos. Não temos dúvidas, saímos mais fortes para os embates que temos pela frente.

 

É, neste momento indispensável, referir as centenas de activistas da CDU, militantes do PCP e do PEV, membros da ID e muita gente sem Partido que deram o melhor que têm neste embate. Valeu a pena, camaradas e amigos, vale a pena. Na CDU não há amigos de circunstância, há amigos para todas as circunstâncias, por isso anunciamos qui a realização de uma reunião da coordenadora concelhia da CDU para o dia 26 de Outubro às 21h na sala do Clube Vilafranquense afim de avaliar a batalha eleitoral e sobretudo projectar a intervenção futura. Não se trata de haver uma estrutura permanente da CDU, mas sim de encontrar formas de garantir a potenciação e aproveitamento de todas as potencialidades da nossa intervenção.

 

É claro que o trabalho é colectivo, é essencialmente colectivo. Mas os homens e as mulheres não se diluem nesse colectivo, acrescentam-no. A camarada Regina Janeiro, no quadro da tarefa que o Partido lhe atribuiu, acrescentou experiência, determinação, alegria e estimulo. Estamos certos que também sai deste embate acrescentada de forças para com a CDU e o PCP fazer deste mandato um período de conquistas e avanços para o concelho.

 

Realizámos esta campanha elegendo a participação como um elemento distintivo, não só da campanha mas de uma concepção de exercício de poder. Fizemo-lo sempre dizendo que seria assim que estaríamos nos órgãos. É assim que vamos estar.

 

Temos um projecto para o concelho construído com contributo de muitos e só lutando por ele de forma organizada avançaremos. Temos a presidência de 4 das 6 uniões de freguesia, 4 vereadores e mais de 1/3 da assembleia municipal. Estes eleitos enquadrados no trabalho geral do Partido e na sua organização são uma importante força de intervenção e conquista.

 

O PS, garantiu novamente a presidência da CM, mas sabe que esse lugar não corresponde a uma verdadeira conquista, mas antes a uma espécie de taluda, caiu-lhes no colo quando já nem esperavam. Agora afirmam uma espécie de altives de vencedor pequenino com pequenas vendetas. Não nos vamos deixar embrulhar na espuma dos dias, vamos tratar de coisas sérias, temos um projecto e propostas e são essas que vão determinar.

 

O povo do concelho tem garantido o posicionamento sempre seguro da CDU e do PCP na exigência de meios e condições para servir as populações. As freguesias de presidência CDU não se resignarão a serem tratadas de forma desigual e a verem as populações e os trabalhadores das autarquias a seres espoliadas dos seus direitos.

 

Caros camaradas e amigos,

 

Depois desta campanha e assentes no esteio que é o património de intervenção da CDU e do PCP no concelho, a questão que se coloca é como não fazer? Como ficar parado? Não camaradas e amigos, bem sabemos o caminho é em frente e no trabalho concreto, o caderno de encargos que temos não é pequeno.

 

É necessário com as populações ir à luta: no Bairro de Povos em VFX pela sua dignificação, na Castanheira do Ribatejo pela possibilidade de praticar desporto informal, em Vialonga pela Piscina, em Alhandra pela qualidade do ambiente, na Póvoa, em Alverca e em VFX, pelas questões do trânsito, em todo o lado pelo fim das portagens, pelo direito à saúde, pelo passe social intermodal e por muito, muito mais. Foi também a isto que nos comprometemos nesta campanha.

 

Aos muito que estiveram connosco, muitas vezes embalados pela perspectiva justa de ganhar a Câmara, dizemos: continuem, continuem na luta, muitos de vós não são nem serão comunistas, outros mais cedo ou mais tarde chegarão a este Partido, mas todos têm um papel. Dissemos tantas vezes a quem nos afirmava não ir votar: “Vote, não deixe que outros decidam por si”. Pois agora e a vós dizemos “Participa, faz, não deixes que outros façam contra ti”.

 

Nesta dinâmica cabe aos comunistas e aos seus aliados intervir também nos locais de trabalho, organizar e dinamizar a acção reivindicativa por melhores salários, direitos e condições de vida. Combater a precariedade, a desregulamentação dos horários e exigir a revisão das normas gravosas do código do trabalho. Cabe aos comunistas e aos trabalhadores mais conscientes reforçar a unidade dos trabalhadores e as suas organizações representativas em especial o movimento sindical unitário. Daqui enviamos um mensagem especial aos trabalhadores da CM e dos SMAS: ouvimos o que nos disseram, registámos o vosso apoio, notamos a vossa confiança, conhecemos melhor as vossas aspirações, estamos juntos nas muitas lutas que teremos pela frente.

 

Temos muitas mais tarefas a levar por diante: cuidar do nosso Partido, do Partido Comunista Português. Reforçar a sua implantação no seio dos trabalhadores designadamente, na Centralcer, Cimpor, Grandes superfícies, OGMA, Tudor, CM/SMAS, na Boa Viagem, nos Professores, mas também em muitas outras empresas e locais de trabalho. Reforçar a influência social, politica e ideológica, responsabilizar quadros, alargar militância.

 

Os próximos meses, se os quisermos levar a sério, não serão menos intensos que estes últimos. Já nenhum comunista acredita naquele mito que por vezes afirmamos “isto a seguir fica mais calmo”. Não fica camaradas, nós não deixaremos.

 

Vamos à luta.

 

Viva a CDU! 
Viva o PCP!