CDU Sintra apresenta cabeças de lista à Assembleia e Câmara Municipal, António Filipe e Pedro Ventura

1 IMG 8519Este Sábado, 25 de Março, a Casa da Cultura de Mira-Sintra foi pequena para todos os que quiseram estar presentes e dar o seu apoio à CDU na apresentação dos seus cabeças de lista à Assembleia e Câmara Municipal de Sintra, António Filipe e Pedro Ventura. Para uma sala repleta, e numa tarde em que também intervieram Heloísa Apolónia, da Comissão Executiva do Partido Ecologista os Verdes e Armindo Miranda, da Comissão Política do Comité Central do PCP, o actual vereador da CDU na Câmara Municipal de Sintra lembrou o trabalho desenvolvido pela CDU ao longo dos anos em defesa das populações, na luta pelos serviços públicos e por um melhor concelho de Sintra. Pedro Ventura assinalou algumas das linhas estratégicas do programa da CDU para o concelho de Sintra, referindo que o que defendem é "um concelho de Sintra construído para as pessoas:

Orçamento Municipal de 2017 da Câmara Municipal de Sintra

cdu-simboloNo plano autárquico, a CDU assume a defesa do serviço público, a melhoria das condições de vida da população e o desenvolvimento do concelho de Sintra nas vertentes económicas, sociais, culturais, ambientais e urbanísticas. 

Este desenvolvimento faz-se através de políticas municipais adequadas e da exigência, ao nível do Governo, do cumprimento da Lei das Finanças Locais que continua a não ser cumprida na proposta de OE para 2017. 

Sintra Laboral

SintraLaboralNo Sintra Laboral de Novembro Campanha + direitos + Futuro Não à Precariedade e o XX Congresso do PCP

Ler Boletim em PDF

A CDU exige a construção de um Hospital Público em Sintra!

utentes sintra jan2015Passados 20 anos de várias promessas eleitorais de construção de um hospital em Sintra, no passado fim-de-semana, a promessa foi alterada, passou a “Polo Hospitalar". O governo PS propõe, e a câmara PS aceita, que no segundo maior concelho do país, em termos populacionais, em vez de um hospital público, se construa uma unidade com “50/60 camas”, sem internamento. Ano após ano, apesar das promessas, o Concelho de Sintra não viu construído nenhum hospital. A CDU e os utentes de Sintra têm, por isso travado uma longa e persistente luta! Esta luta pelo direito à prestação de cuidados de saúde dignos, por um Serviço Nacional de Saúde (SNS) que cumpra o objectivo para que foi criado em 1979 está, natural e constitucionalmente, suportada e tem objectivos bem concretos. Podemos sintetizá-los em 3 linhas:

§ Pela cobertura total das necessidades dos centros de saúde em termos de médicos de família, enfermeiros e demais pessoal auxiliar e administrativo.

§ Pelo funcionamento em regime de serviço público consistente, das unidades de saúde existentes e a construir.

§ Pela construção de um Hospital Público no Concelho de Sintra, com 350 camas, e todas as valências necessárias ao seu funcionamento.

Uma luta encabeçada pela CDU onde não faltou o contacto com a população. Realizaram-se plenários, sessões de esclarecimento, debates, reuniões com utentes, responsáveis autárquicos e de agrupamento de centros de saúde. Foram realizadas vigílias e manifestações à porta dos Centros de saúde e do Hospital Fernando da Fonseca. Foram ainda apresentadas pela CDU inúmeras propostas na Assembleia da República e nos órgãos autárquicos do Concelho de Sintra. Acções realizadas ao longo de mais de uma década, não começámos hoje! Em 2015, a CDU promoveu um abaixo-assinado exigindo a construção de um hospital público com 350 camas no concelho de Sintra. Foi um sucesso! Em poucas semanas foram recolhidas mais de 10.000 assinaturas que foram entregues no Ministério da Saúde. Um sucesso pela adesão, mas principalmente pela intervenção e pelos contactos que foram realizados, pelos testemunhos de vida real, de quem passa dificuldades e de quem não merece ser tratado de forma desigual por ter menos condições económicas e não poder ir atrás do canto de sereia dos seguros de saúde. Para a CDU o acesso aos cuidados de saúde não pode, nunca, ser condicionado por razões económicas. O adiar da construção do hospital público em Sintra, ou propostas como a agora vinda a público que não respondem às necessidades dos seus utentes, abrem espaço à instalação de unidades privadas, que não garantem o acesso de todos à saúde. A proposta de alargamento do Hospital de Cascais, pareceria público-privada, com investimento público, apenas reforça este perigo. O governo, em vez de construir um hospital público em Sintra prefere dar dinheiro aos privados. Os munícipes e o Município não podem aceitar isto! O hospital público em Sintra é necessário e é possível. A CDU, juntamente com a população do concelho, continuará a lutar por ele!

20 ANOS DE PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS:
§ Em (12 de Março de 1999) O Jornal de Sintra titulava: “Guterres promete hospital e inaugura centro de saúde”.
§ A (16 de Dezembro de 1999) o Jornal de Notícias noticiava: “Hospital de Sintra arranca em 2000. A garantia foi dada por Edite Estrela na Sessão da Assembleia Municipal”.
§ A (1 de Maio de 2003) escrevia-se: “Hospital em Sintra está garantido”
§ A (13 de Junho de 2003) a promessa era mais abrangente: “Braga, Sintra e Algarve são os Hospitais para 2004”.
§ Passados 2 anos, na reunião da Assembleia Municipal de Sintra, realizada no dia 23 de Junho de 2006, a bancada do Partido Socialista (com exceção de 3 deputados!) votava contra a construção de um hospital público em Sintra.
§ No entanto, seis meses depois, o jornal Público anunciava a (3 de Janeiro de 2007): “Sintra vai ter novo Hospital”.
§ O Notícias da Manhã era mais explicito e escrevia a (4 de Janeiro de 2007): “Ministério da Saúde anuncia novo hospital em Sintra. Unidade a gerir por privados”
§ Em Janeiro de 2007, referindo-se a Fernando Seara, o Diário de Notícias titulava “Autarca de Sintra quer dois hospitais a funcionar no concelho.
§ Um ano depois (Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008) lia-se nos jornais: "Partidos saúdam futuro Hospital de Sintra. O futuro Hospital de Sintra reúne um consenso quase completo entre as forças políticas de Sintra. A decisão de construir uma unidade hospitalar com capacidade para 150 camas, anunciada na última segunda-feira pelo ministro da Saúde, Correia de Campos, obtém o acordo de PS e PSD."

Posição da CDU sobre o Orçamento da Câmara Municipal de Sintra para 2017

cdu-simboloO Orçamento da Câmara Municipal de Sintra para 2017 do PS reflecte as opções para o referido ano, bem como a evolução da execução dos anteriores orçamentos. Desta forma, merece por isso uma análise aprofundada de todas as suas vertentes.

No respeito pelos direitos dos trabalhadores e das populações a CDU propõe a criação de um parque urbano em Mem Martins

IMG 2120Este sábado a CDU esteve em contacto com a população da Freguesia de Algueirão Mem-Martins, tendo procedido à apresentação da sua proposta para a criação de um Parque Urbano em Mem-Martins.
Nesta inicitiva foram apresentadas as propostas da CDU naquilo que diz respeito à criação deste importante equipamento para usufruto da população, bem como em relação a outras matérias de afectam a qualidade de vida de quem reside na Freguesia.

Intervenção do Vereador da CDU, Pedro Ventura sobre a municipalização dos serviços de recolha de resíduos nas cidades de Agualva-Cacém e Queluz

11960007 824460297670556 2944389376204540277 nA Correcta  intenção de municipalizar a totalidade dos serviços de recolha de residuos

Em Março de 2016, foi aprovada em reunião de câmara a decisão de revogar o contrato com a empresa privada que presta o serviço de recolha de resíduos sólidos nas cidades de Queluz e Agualva Cacém, com efeito a partir de Novembro de 2016. A defesa do serviço público e a necessidade de reforçar a qualidade da recolha de resíduos sólidos que deu origem a esta decisão levou a que se iniciassem, desde logo, um conjunto de medidas para concretizar a municipalização do serviço como a aquisição de contentorização, e a contratação de 40 trabalhadores para a recolha. 

Boletim CDU Colares

Boletim CDU Colares Set Out16 2-1A CDU Colares presta contas do seu trabalho à população no seu boletim informativo de Setembro/Outubro de  2016

Ler em PDF