CDU esclarece: Razões da saída do Executivo da Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra

Em Outubro de 2013 a CDU assumiu, na sequência dos resultados eleitorais e da confiança expressa pelas populações de Agualva e Mira Sintra, responsabilidades no executivo da Junta de Freguesia. Importa salientar que desde a primeira hora a CDU combateu a fusão destas duas freguesias e que a assumpção de responsabilidades no executivo não significou o abandono desse combate.  Aceitámos participar na gestão da Junta para, dessa forma, podermos trabalhar em prol da população, sempre com a condição de poder exercer o nosso mandato com a autonomia e as condições necessárias para o desenvolvimento do programa com que nos apresentámos ao eleitorado. Nesta fase, e pelas razões que neste documento explicitaremos, consideramos não estarem reunidas as condições necessárias para a nossa continuidade neste órgão autárquico pelo que, importa de forma transparente e honesta, informar desta decisão a população de Agualva e

Mira Sintra.

 

Ler Documento em PDF

Linha de Sintra: Público é de todos, privado é só de alguns

A privatização da Linha de Sintra, que afectará directamente 210.000 utentes é um negócio que tem sido anunciado desde os anos 90 por alguns presidentes do Conselho de Administração da CP, a luta dos utentes e dos trabalhadores do sector tem impedido essa machadada no nosso direito à mobilidade. A fusão da REFER com as Estradas de Portugal estabelece a “reestruturação da empresa” e a contínua saída de trabalhadores procurando destruir toda a capacidade pública, agravando a dependência do Estado face aos grandes grupos económicos. Ler Documento em PDF

Presidente da Câmara de Sintra, Governo e UGT impõem adaptabilidade e banco de horas!

20140225 semana luta aceep vfxO Governo PSD/CDS-PP, após ter imposto o horário de trabalho de 40 horas semanais para a função pública, impôs, ao arrepio da autonomia do Poder Local, esse mesmo horário às autarquias. Face ao protesto generalizado de trabalhadores e autarcas, o Tribunal Constitucional emitiu um Acórdão considerando que o horário das 40 horas semanais era aceite apenas como o limite máximo ao horário de trabalho, dando assim razão às autarquias que pretendem manter as 35 horas. Neste sentido, foram assinados mais de seiscentos ACEEP entre autarquias e o STAL.

 

CDU-Concelho de Sintra promoveu Encontro Público sobre “A Água é Pública. É de todos.”

A CDU - Concelho de Sintra realizou, no passado dia 10 de Abril, no Auditório dos SMAS de Sintra, o Encontro “A Água é Pública. É de todos.” A CDU Sintra entendeu promover este Encontro tendo como objectivos principais: Defender o papel determinante da Autonomia do Poder Local na Gestão Pública da Água ao serviço das populações e do País, apontando alternativas à chamada “Reestruturação do Sector das Águas” e medidas afins, apresentadas muito recentemente; Promover o esclarecimento das populações e de entidades sobre as consequências dessa “Reestruturação”, bem como de alternativas que respeitem a Autonomia do Poder Local, as quais estão sujeitas ao controlo e ao julgamento democrático dessas populações.

 

CDU em Sintra promove debate público para analisar a actual situação na prestação de cuidados de saúde aos habitantes do concelho

Decorreu em Massamá, no passado dia 7 de Abril, dia mundial da saúde, um encontro/debate, promovido pela CDU, com o lema  “A Realidade da Saúde em Sintra”, para análise da actual situação na prestação de cuidados de saúde aos habitantes do Concelho. Este encontro, inserido na iniciativa de recolha de assinaturas que a CDU está a levar a cabo até ao final de Abril, contou com a participação do vereador da CDU na CMS, Pedro Ventura, com o deputado do PCP na assembleia da república, Bruno Dias e com o enfermeiro Pedro Frias, dirigente do sindicato dos enfermeiros Portugueses.

Sintra Laboral: A luta sai à rua

Na edição de Feveveiro do Sintra Laboral (Boletim Informativo do Sector de Empresas de Sintra do PCP) é feito o apelo á participação dos trabalhadores na Manifestação do próximo sábado. "Existem muitas e justas razões para participar na primeira iniciativa de massas de âmbito nacional convocada este ano pela CGTP-IN. Na jornada de 7 de Março, que se pretende que tenha expressão de rua em todas as capitais de distrito de Portugal continental e Regiões Autónomas, lutamos contra o aumento da exploração, da pobreza e exclusão social e das desigualdades, resultado de décadas de política de direita, agravada pelo actual Governo, que é preciso derrotar abrindo caminho à política alternativa de que o País precisa". O documento aborda ainda questões concretas dos trabalhadores no concelho de Sintra e assinala o 94º aniversário do PCP. Ler documento em PDF

Célula da CM/Sintra: Os próximos dias 7 e 13 de Março serão dias de luta para os trabalhadores da Administração Local

A Célula da CM/SMAS de Sintra em comunicado aos trabahadores, lembra as razões para ir à Luta nos próximos dias 7 (Manifestação da CGTP-IN) e 13 de Março (Greve): cortes nos salários; cortes nos dias de férias, mais os 4 feriados roubados; as 40 horas de trabalho por semana que o Governo não desiste de nos impor e que têm sido travada pela grande e continuada luta dos trabalhadores; congelamento das progressões nas carreiras; despedimentos por via da Requalificação. Os trabalhadores comunistas lembram ainda que durante "vigência deste Governo, só na Administração Local, foram eliminados mais de 25 mil postos de trabalho, ou seja um quinto do total, no entanto, cerca de 30 mil desempregados foram colocados nas autarquias ao abrigo dos Contratos de Emprego e Inserção (CEI), desenvolvendo trabalho em actividades permanentes ao qual deveria corresponder um posto de trabalho permanente." Ler Boletim Informativo da Célula da CM/SMAS de Sintra em PDF

Em defesa do Serviço Nacional de Saúde e pela construção de um Hospital Público em Sintra

Depois de várias acções junto dos centros de saúde do concelho de Sintra, ao longo do mês de Janeiro,  as Comissões de Utentes da Saúde dos Concelhos de Sintra e Amadora e a Plataforma de Lisboa em defesa do Serviço Nacional de Saúde, realizaram ao início da tarde de dia 29 de Janeiro (5ª feira) uma Vigília/Protesto junto ao Hospital Amadora-Sintra. Nesta acção, mais de duas centenas de pessoas concentrara-se junto do Hospital, participando num protesto em defesa do Serviço Nacional de Saúde e exigindo a construção de um Hospital Público em Sintra.