Os trabalhadores da Valorsul não baixarão os braços nesta luta e o PCP e a CDU tudo farão para os apoiar

get imgNo passado dia 25 de Outubro os trabalhadores da Valorsul estiveram em greve, reivindicando aumentos salariais que não são atualizados desde 2009 e o cumprimento do Acordo de Empresa, marcando uma forte posição junto da administração da MotaEngil. A Mota-Engil até à data ainda não respondeu às reivindicações dos trabalhadores, avizinhando-se novos processos de luta.

Assistimos ainda à transferência de 4 trabalhadores da CTE para a CTRSU, com entrega desses postos de trabalho permanentes a prestadores de serviços. Este "ato de gestão" como lhe chama a administração da Empresa não é mais do que o início de precarização e exploração das relações de trabalho na Valorsul, consequência negativa que sempre afirmámos que a privatização traria. É claramente o inverso do que está plasmado no compromisso parassocial assinado, que mantém todo o conhecimento e postos de trabalho na estrutura interna(AE) da empresa sem externalizar postos de trabalho com afetação direta ao processo produtivo. Preveem-se ainda aumentos nas taxas que se irão refletir nas faturas pagas pelos munícipes. Na nossa avaliação, o governo tem todas as condições políticas e legais para concretizar a reversão da privatização do Grupo EGFF/Valorsul, fator muito negativo para os municípios, para as populações e os trabalhadores. Os trabalhadores da Valorsul não baixarão os braços nesta luta e o PCP e a CDU tudo farão para os apoiar. 

Ler documento em PDF