CDU Loures - Cinquenta milhões de Euros ao abandono

Cinquenta milhões de Euros ao abandono

A propósito das comemorações do Dia do Ambiente é indispensável que se avalie o desempenho da Câmara Municipal de Loures nesta área de importância decisiva para a qualidade de vida das populações do Concelho. Poderíamos realizar um balanço genérico, abordando várias vertentes do assunto e infelizmente em todas chegar a conclusões lamentáveis. Para evitar a dispersão das atenções e porque outras oportunidades surgirão para voltarmos ao tema entende a CDU neste momento abordar de forma mais detalhada a situação da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) localizada em Frielas.

Este equipamento inaugurado em Junho de 1999, foi concebido como coração do sistema de despoluição do Rio Trancão, capaz de tratar 700 mil habitantes equivalentes, ou seja todos os esgotos domésticos da zona norte do Concelho de Loures e todo o Concelho de Odivelas, assim como os esgotos industriais produzidos na mesma área, nalguns casos após pré tratamento.

O investimento realizado, cerca de cinquenta milhões de Euros, comparticipado por fundos europeus, foi na altura o maior investimento realizado em equipamentos do tipo no País.

Seria legitimo esperar que tão importante equipamento pudesse merecer a maior atenção por parte da Câmara Municipal de Loures e das empresas que dirige ou onde intervém, Serviços Municipalizados e SIMTEJO, mas a lógica que qualquer cidadão entende não é a lógica do PS que governa a Câmara há quase seis anos. Na realidade a ETAR de Frielas está pouco mais que ao abandono.

As nossas afirmações são justificadas não só pela observação das consequências; esgotos a entrarem directamente nas linhas de água, odores insuportáveis e recorrentes na freguesia de Frielas e zonas envolventes, mas também pelas informações técnicas que têm sido fornecidas a pedido dos Vereadores da CDU.
Nestas informações os responsáveis pela ETAR assumem que há órgãos da estação que estão desligados para evitar custos, como é o caso da desinfecção final dos efluentes tratados, situação que inviabiliza o aproveitamento daquela água por exemplo para fins industriais, regas de zonas verdes, lavagem de ruas, lavagem de contentores de resíduos sólidos, enquanto se gastam milhões de m3 de água para consumo humano nestas actividades.

Desperdiça-se assim o potencial ambiental e até económico da ETAR, causam-se graves incómodos à população residente, degrada-se um investimento de cinquenta milhões de Euros.

Neste Dia Mundial do Ambiente apelamos aos cidadãos do Concelho de Loures para que se juntem a nós na exigência de uma política Ambiental consciente e séria no Município, na defesa dos valores ambientais e da gestão competente do erário público.


Junho. 2007
A CDU LOURES