Cascais: PCP denuncia brutais aumentos das rendas e da tarifa da água e apela à população que lute contra estas injustas medidas.

2016 95 anos pcp logo horizontal corEstão em distribuição dois documentos do PCP dirigidos à população do concelho de Cascais sobre o aumento brutal das rendas sociais nos bairros geridos pela empresa municipal Cascais Envolvente e sobre o aumento da tarifa da água,  promovido pela empresa Água de Cascais que contou com aprovação do PSD/CDS e a abstenção do PS na Câmara de Cascais. O PCP denuncia estes brutais aumentos e apela à população que lute contra estas injustas medidas.

Ver documento sobre aumento tarifa água

Ler documento sobre aumentos das rendas sociais

PCP saúda a luta dos trabalhadores do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão

2016.11.luta.CMRAA Comissão Concelhia de Cascais do PCP emitiu um comunicado onde saúda a justa luta dos trabalhadores do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que, nos passados dias 16, 17 e 18 de Novembro, aderiram à greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica  paralisando, na quase totalidade, os serviços daquele centro de reabilitação. Uma luta reforçada com a greve e manifestação dos trabalhadores da Administração Pública a 18 de Novembro.

Ler comunicado em PDF

Comissão Nacional de Eleições dá razão à CDU na queixa contra a remoção ilegal de propaganda pela CM de Cascais

Nas Eleições Legislativas de 2015, a CDU apresentou queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Câmara Municipal de Cascais pela remoção ilegal de 24 estruturas de propaganda política e eleitoral, a CNE veio agora dar razão à CDU.

Continuar...

PCP Cascais apresenta Moção sbre os anunciados despedimentos na EMEF

MarchaEMEF 031220142Os despedimentos nas Oficinas da EMEF, Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, S.A, em Oeiras, e a degradação da fiabilidade da circulação ferroviária na Linha de Cascais da CP. A Administração da EMEF, com o apoio do Governo, violando as promessas do próprio primeiro-ministro quando anunciou o combate ao «modelo de precariedade e baixos salários» anunciou em Agosto, aos ferroviários que têm estado ao serviço da EMEF em Oeiras, por subcontratação de uma ETT, (empresa de trabalho temporário), que serão despedidos até Novembro.

Continuar...