Maioria PSD/CDS-PP chumba proposta do PCP para combater a Pandemia e os seus efeitos sociais

Combater PandemiaO PCP apresentou uma proposta para combater a Pandemia e os seus efeitos sociais que foi chumbada pela maioria PSD/CDS que lidera a Câmara de Cascais. Uma proposta que visava a adopção das medidas excepcionais implementadas com sucesso noutros concelhos, mas que foi considerada uma ameaça à estratégia propagandista adoptada por Carlos Carreiras. A apresentação e votação desta proposta decorreu na reunião de Câmara realizada na passada terça-feira, dia 21 de Julho de 2020.

 

O PCP considera que o poder local democrático, pela natural proximidade com as populações, numa situação extrema e inaudita, demonstrou a sua capacidade de responder às necessidades mais emergentes, tendo sido, até este momento, um fator decisivo na mitigação dos efeitos da pandemia.

Por outro lado, o papel insubstituível do Serviço Nacional de Saúde na resposta ao surto epidémico comprovou ser a única resposta capaz de garantir a toda a população o direito à saúde.

No entanto, a evolução epidemiológica na Região de Lisboa mereceu recentemente a adoção de medidas excecionais, implementadas com sucesso noutros municípios.

Tendo em conta estas e outras considerações, o Vereador do PCP, Clemente Alves, propôs que a Câmara Municipal de Cascais deliberasse promover junto da Direção Geral de Saúde e a da Segurança Social a criação de equipas mistas que acompanhassem todas as situações no terreno, com vista a:

1. Proceder à georreferenciação dos casos positivos (salvaguardando o anonimato), acompanhando, quer as possíveis cadeias de contágio, quer as condições de cumprimento do confinamento;

2. Identificar a existência de situações em que não seja possível as pessoas infetadas ou em quarentena fazerem o isolamento em segurança, por motivos de ordem habitacional, insuficiência económica ou outra, e encontrar soluções alternativas para estas pessoas;

3. Averiguar os fatores que estão na origem dos casos positivos: locais de trabalho, transportes públicos ou outros, de forma a melhor encontrar soluções para os resolver;

4. Permitir que, ainda que não morem no Concelho todas as pessoas que aí trabalham possam, se assim o desejarem, ser também elas testadas como se de residentes se tratassem;

5. Eventualmente adotar e adequar à evolução epidemiológica no Concelho de Cascais, as mais recentes medidas excecionais seguidas com sucesso noutros municípios da Região de Lisboa.

6. Dinamizar uma campanha de sensibilização e educação para a Saúde.

Resumidamente, foi esta a proposta que a maioria PSD/CDS decidiu chumbar, sem conseguir apresentar nenhuma justificação plausível. O Presidente da Câmara, numa infeliz declaração de voto, teve mesmo necessidade de tentar justificar a sua posição, recorrendo à ofensa pessoal e ao anti-comunismo primário num espectáculo que em nada dignificou o cargo que ocupa. O PCP e os seus eleitos garantem que não se deixarão intimidar e continuarão a desempenhar o seu papel em prol dos trabalhadores e das populações, convictos da importância da sua intervenção na melhoria das condições de vida dos cascalenses.