PCP desmascara Câmara de Cascais e a sua campanha de “autocarros gratuitos para todos”

scotturb403Na reunião da Assembleia Municipal de Cascais do passado dia 27 de Janeiro o PCP, através do deputado municipal José Carlos Silva, denunciou a falsa e dispendiosa campanha propagandística que a Câmara de Cascais lançou neste início de ano.

 

Leia a intervenção na integra:

“O alargamento do Passe Social Intermodal, com uma importante redução tarifária, concretizado em Abril de 2019, foi o mais importante avanço nos transportes públicos desde 1976, sendo só possível pela luta dos utentes e a iniciativa do PCP.

Esse alargamento trouxe milhares de novos utentes, garantiu às famílias poupanças mensais de dezenas de euros e contribuiu para um menor uso do transporte individual e uma consequente melhoria do ambiente.

Mas para que os transportes públicos garantam uma resposta adequada é preciso aumentar a oferta.

A modernização da linha de Cascais é um dos investimentos fundamentais para alargar a oferta de transportes públicos na região de Lisboa. Essa modernização já deveria estar concluída há mais de 10 anos, e deve implicar:

  • Modernização da infraestrutura com a alteração da tensão eléctrica, tornando a linha de Cascais plenamente compatível com a restante rede da CP;
  • Aquisição de comboios novos para a CP Lisboa, substituindo a actual frota da linha de Cascais e permitindo um aumento geral da oferta;
  • Derrotar os que se manobram para destruir a linha de Cascais, querendo substituí-la por eléctricos mais lentos (ainda que chamados rápidos) e de muito menor capacidade de transporte;

A proposta do Governo de Orçamento de Estado para 2020 não responde a estas necessidades, mas isso pode e deve ser alterado.

É preciso prometer menos e fazer mais; é preciso deixar de poupar nos serviços públicos, deixando de esbanjar na especulação, nos apoios à banca privada e nas PPP’s. É preciso optar por investir nos transportes públicos para que estes possam cumprir a sua função na mobilidade das populações, na política ambiental e na administração mais racional dos recursos existentes.

Entretanto, em Cascais, somos informados da gratuitidade do transporte rodoviário para todos os cascalenses. Sabendo-se que quem vive em Cascais mas tem de se deslocar para Oeiras, Sintra ou Lisboa, e também quem vem de vários concelhos para Cascais continuará a gastar o mesmo valor, que paga pelo passe Navegante Metropolitano, sempre exigível na origem ou no terminus do trajecto, a quem serve este programa que vai entregar anualmente 12 milhões de euros à Scotturb?

Servirá naturalmente uma franja da população que de outra forma dificilmente se deslocaria no seu dia-a-dia. Daí o voto favorável do PCP em sede de Câmara Municipal de Cascais.

O que entretanto sabemos é que as populações residentes na Biscaia e em Almoínhas Velhas, que usam o único autocarro 403, que faz o trajecto Cascais-Sintra, não vão ser bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; as populações que se deslocam para Alcabideche, nas carreiras 418 e 456 não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; os moradores do Bairro do Navegador que se deslocam para Cascais ou Sintra, tomando a carreira 417, única a passar, não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; as populações de Trajouce que tomam as carreiras 463, 467 e 468 para se deslocar, sendo estas as únicas que passam na localidade, não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; as populações da Abóbada e Tires para se deslocarem para a Parede, não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; tal como, de S. Miguel das Encostas e Bairro Terplana, utilizando a carreira 470, não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos; assim como de Outeiro de Polima para Talaíde, usando a carreira 472, não são bafejadas por esta medida, logo, não é para todos.

Para além de todos estes exemplos, quem queira usar a linha de Cascais da CP, não a consegue complementar com o transporte rodoviário sem ter de a pagar, já para não falarmos nas carreiras que terminam os seus percursos às 19h, durante a semana, não circulando aos fins-de-semana e feriados.

Deste modo, continuamos a não compreender a forma como a Câmara Municipal de Cascais continua a desperdiçar avultados meios financeiros e materiais, de todos os cascalenses, em medidas avulsas, que não chegam a todas as localidades de Cascais, sem se integrar no sistema integrado de Mobilidade da Área Metropolitana de Lisboa.

O PCP considera que ganha um valor e actualidade reforçados, o objectivo para que, no futuro, se avance no sentido da gratuitidade do transporte público para todos, na abrangência nacional desta gratuitidade e no reforço do serviço assegurado, que se quer regular e de qualidade.

Cascais, 27 de Janeiro de 2020

O Grupo Municipal do PCP