População do Cadaval em luta: “Não encerrem o tribunal, encerrem este governo”

Na passada quarta-feira, dia 26 de Março, a Ministra da Justiça foi ao Concelho do Cadaval assinar o encerramento do Tribunal Judicial do Cadaval e a sua passagem a Centro Nacional de Mediação e Arbitragem Fundiária (questões agrárias). Este encerramento contou com a conivência do executivo camarário e do deputado do PSD Duarte Pacheco. 

 

 

Perante a contestação da população, que a esperava à entrada dos Paços do Concelho com palavras de ordem como “Não encerrem o tribunal, encerrem este governo” ou “Com o tribunal arbitral, não há justiça no Cadaval”, a ministra esclareceu que "a palavra tribunal não sairá deste Palácio da Justiça, porque o tribunal arbitral é, nos termos da constituição, também um tribunal. Nem a palavra tribunal sairá da fachada, nem o edificio será encerrado!"

 

Este esclarecimento “jocoso” não acalmou os manifestantes que a confrontaram com os constantes cortes nos serviços públicos, como escolas, transportes, Centros de Saúde e o já anunciado encerramento das Finanças. Ao mesmo tempo, protestavam contra a falta de transportes públicos e o preço que implicará a deslocação a um Tribunal Judicial, em caso de necessidade.

 

Enquanto se manifestavam, distribuiam um documento de protesto, sobre os encerramentos dos serviços públicos no Cadaval, o isolamento em que o Concelho se encontra e a necessidade de lutarem contra estas políticas do governo. Perante a contestação, a ministra entrou no edificio, mas para espanto e indignação

dos manifestantes, depois da assinatura e da informação de que o Tribunal do Trabalho de Torres Vedras irá ser deslocado provisoriamente para o Cadaval (não informando o que isso significa) os motoristas da comitiva ministrial afadigaram-se a transportar para o porta-bagagem da viatura topo de gama que transportava a ministra, caixas de fruta, sacos com garrafas de vinho, bolos e prendas!

 

Perante a indignação dos manifestantes, que gritavam “Vergonha! Vergonha! Vem assinar o encerramento do tribunal e ainda enche a despensa! Tanta vergonha têm quem oferece, como quem recebe! Vai trabalhar, não roubes quem trabalha!” a ministra sentiu-se na obrigação de se justificar aos manifestantes. Mas a indignação era tanta e tão ruidosa, que entrou na viatura e afastou-se rapidamente! Durante alguns minutos os protestos continuaram a fazer-se ouvir: “É uma vergonha! Roubam os trabalhadores e a Câmara ainda lhes oferece prendas! Para eles a vida é fácil, roubam e enchem a despensa!”