Metro de Lisboa: Governo continua a travar admissões que a própria Administração reconhece serem indispensáveis

rectangulometrofinO PCP e os trabalhadores do Metro reclamam há anos da necessidade da entrada de trabalhadores para a empresa: faltam maquinistas, faltam trabalhadores para as estações, faltam trabalhadores na manutenção e reparação do material circulante e da infraestrutura. E esta é a causa principal para a brutal degradação da oferta que tanto penaliza os utentes. Pois o Governo, ao mesmo tempo que vai prometendo expansões para amanhã continua a proibir a entrada dos trabalhadores necessários, numa medida irracional, que causa os prejuízos que causa no presente, mas que vai custar dezenas de milhões de euros no futuro devido ao desgaste acrescido que os materiais sofrem.

Ler Requerimento em PDF

CDU leva «Soluções para o Metropolitano de Lisboa» a reunião com a sua Administração

metro220517Uma delegação da CDU reuniu hoje com o Presidente da Administração do Metropolitano de Lisboa. A delegação era composta por Amável Alves, candidato a Presidente da CM Amadora, João Ferreira, candidato a Presidente da CM Lisboa, Paínho Ferreira, candidato a Presidente da CM Odivelas) e Paulo Piteira, candidato à CM Loures. O documento entregue apresenta as soluções da CDU para o Metropolitano, tendo ainda a CDU exigido um conjunto de esclarecimentos. Desta reunião será editada brevemente uma informação à população.

Ler «Soluções CDU para o Metropolitano» em PDF

Expansão do Metropolitano: PCP leva auscultações à Assembleia da República

metroouvirNa Comunicação Social, PS/PSD/CDS competem na habitual guerra: ver quem mais Estações de Metro promete para disfarçar as maldades que fazem ao sistema de transportes públicos. Uma das questões que o PCP criticou no plano de expansão que o governo «anunciou» foi o facto de,ilegalmente, não ter ouvido as autarquias da região, a AML e os trabalhadores da empresa. Essas Audições vão agora decorrer na Assembleia da República por proposta do PCP.

Ler Requerimento em PDF 

Metropolitano: Governo insiste em opções erradas, e no adiamento das ligações à Zona Ocidental de Lisboa e a Loures

20170508 120604O Governo anunciou hoje aquilo a que chamou «plano de expansão do metropolitano de lisboa». O Sector dos Transportes do PCP, em Nota de Imprensa, aponta para a solução errada que está a ser desenhada e para o adiamento das respostas necessárias (exclusão da Zona Ocidental de Lisboa e de Loures, não contratação de trabalhadores apesar de todas as promessas, ausência de medidas reais na manutenção apesar de todas as promessas, etc). O PCP apela aos utentes para continuarem a lutar por um serviço de público de transportes públicos não só necessário como possível no quadro de uma verdadeira ruptura com a política de direita.

Ler Nota de Imprensa em PDF

PCP promove Audição às ORT's do Metropolitano de Lisboa

20170324 175513Face à situação que se vive no Metropolitano, o PCP promoveu na Assembleia da República no dia 24 de Março uma Audição às ORT's da empresa. Uma reunião onde se confirmaram as preocupações com o adiamento das medidas operacionais urgentes que se impõe, com um clima que prevalece de perseguição aos trabalhadores, e com a crescente degradação da segurança e fiabilidade da operação. O PCP comprometeu-se a avançar com um conjunto de novas iniciativas legislativas para obrigar o Governo a romper com o caminho de degradação da empresa que o anterior governo lançou para conseguir privatizá-la.  

Adiamento das medidas urgentes continua a degradar a oferta no Metropolitano de Lisboa

metrocorteamadoraA partir do dia 27 de Março a oferta do Metropolitano sofre uma nova degradação, desta vez com o corte para metade das circulações na hora de ponta para as três estações da Amadora: Alfornelos, Amadora Este e Reboleira. A administração justifica-se com a falta de material circulante, que é real, mas o PCP destaca que ainda não foram tomadas medidas essenciais para repor a capacidade de resposta das oficinas (contratação de trabalhadores, reabertura do PMO2 nas calvanas). Os trabalhadores têm propostas (que a administração recusa sistematicamente) para organizar a produção com os actuais meios,  mas o governo continua a adiar resposta, a fazer promessas e a deixar degradar a situação. O PCP questionou o Governo na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

Vitória da Luta: No refeitório do Metro já se cumpre o AE!

referitoriometro20170102O dia começou mal. Os preços praticados no Refeitório do Metro violavam o Acordo de Empresa e ainda faziam aplicar uma norma que vigorou nos OE de 2011 a 2016, mas foi retirada do OE2017. Face à recusa dos trabalhadores em pagar o preço que lhes estava a ser ilegalmente cobrado, e com a activa participação de dirigentes do STRUP/FECTRANS e da CT, a Administração acabou por reconhecer a razão dos trabalhadores e fazer aplicar o preço acordado. Eis um exemplo (aliás apontado no comunicado de hoje da célula do PCP) de como será a unidade e luta dos trabalhadores o factor decisivo para materializar os avanços possíveis de serem alcançados.

Depois de importantes vitórias em 2016, a luta continua em 2017!

02012017metrolisboaValorizando os avanços conseguidos em 2016 pelos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, a Célula do PCP sublinha a necessidade de continuar a luta em 2017, sublinhando duas vertentes dessa luta: a luta em defesa do serviço público prestado, que atinge níveis brutais de degradação da fiabilidade e qualidade; a luta pela plena concretização do Orçamento de Estado de 2017 e pela acesso pleno à contratação colectiva de todos os trabalhadores do Metropolitano. Um comunicado onde a Célula convida todos os trabalhadores a reforçarem o PCP.

Ler Comunicado em PDF

Assinatura do Acordo de Empresa culmina seis anos de luta no Metropolitano de Lisboa

metro20161125A Célula do PCP no Metropolitano de Lisboa está a distribuir aos trabalhadores da empresa um comunicado a propósito da Assinatura do Acordo de Empresa no passado dia 16 de Novembro. Um comunicado onde se sublinha a luta de 6 anos e as importantes vitórias alcançadas, onde se aponta que a assinatura do AE (depois da derrota da privatização, do roubo dos complementos e do fim dos cortes) marca o final vitorioso de um ciclo,mas onde não se deixa de sublinhar a necessidade de prosseguir a luta.

Ver comunicado em PDF

Plenário de Trabalhadores do Metropolitano ratificam Acordo de Empresa negociado

plenariometro281016Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa ratificaram hoje em plenário a proposta de Acordo de Empresa negociado com a Administração da empresa. Uma vitória histórica num longo processo de luta, de resistência à ofensiva do anterior Governo PSD/CDS (que chegou a denunciar o AE para provocar a sua caducidade) e de afirmação do direito à contratação colectiva. A Célula do PCP valoriza o Acordo alcançado, pelo Acordo em si, pelo que significa no quadro da luta dos trabalhadores pelo trabalho com direitos e pelo reafirmação de que a luta é o caminho para a defesa e valorização dos direitos dos trabalhadores.