PCP expressa solidariedade com a luta dos estivadores do Porto de Lisboa

estivadores20160104Em reunião realizada esta segunda-feira com a Direcção do Sindicato dos Estivadores, o Vereador da CDU na CM Lisboa, João Ferreira, expressou a solidariedade com a luta dos estivadores contra a precarização das relações laborais e em defesa da contratação colectiva - uma luta que assenta num pré-aviso de greve que só é efectivado caso o patronato chame trabalhadores externos para a operação, e que ainda não se traduziu num único dia de greve efectiva, ao contrário da imagem que o patronato transmite. O PCP condenou a acção do patronato do Porto de Lisboa, responsável pelo fim da vigência da contratação colectiva e por práticas ilegais que têm degradado a operação portuária. O PCP exigiu o imediato pagamento dos salários em atraso na ETPL e exigiu que o Governo investigasse os fortes indícios de gestão danosa da mesma por parte do patronato do Porto de Lisboa. 

A solidariedade do PCP com a luta no Porto de Lisboa

O Grupo Parlamentar do PCP enviou ao Governo um requerimento questionando a situação laboral no Porto de Lisboa bem como a alienação às multinacionais de posições dominantes no sector. O PCP expressou a sua activa solidariedade para com a luta dos estivadores em defesa da contratação colectiva e contra a precariedade e a exploração, e denunciou a hipocrisia patronal, que primeiro denuncia o acordo de empresa e depois chora perante os custos provocados pela legítima resposta dos trabalhadores.

Ler Requerimento em PDF 

CM Lisboa aprova moção do PCP em solidariedade com os trabalhadores do Porto de Lisboa

O patronato do Porto de Lisboa declarou guerra aos trabalhadores com a decisão de provocar o fim da contratação colectiva já a partir de 14 de Novembro. Conta o patronato passar a utilizar plenamente os poderes que lhe dá a nova lei do trabalho portuário imposta pelo anterior governo, e assim conseguir o incremento da exploração e da precariedade no Porto de Lisboa. Face a esta situação - agravada pela venda das posições detidas pela Mota-Engil a uma multinacional turca - a CML decidiu expressar a solidariedade com os trabalhadores portuários e apelar à patronal para que reveja as suas posições (a moção do PCP foi aprovada com o voto favorável do PCP, PS e Independentes, e a abstenção de PSD e CDS).

Ler texto da Moção apresentada pelo PCP

Saudação aos Estivadores do Porto de Lisboa: Vale a pena lutar!

O Sector dos Transportes do PCP saúda a vitória alcançada pelos Estivadores do Porto de Lisboa. É uma vitória importante: na medida em que garante a integração plena e imediata de 18 trabalhadores despedidos e a progressiva integração dos restantes 29 trabalhadores despedidos mas com garantias imediatas de trabalho; na medida em que toma medidas para travar o processo de falência fraudulenta da A-ETPL e aponta para a integração nesta da PORLIS com garantias para os seus trabalhadores; na medida em que repõe o primado da contratação colectiva, rompido pelo Governo com a Lei do Trabalho Portuário. O PCP sublinha a importância de que a unidade e determinação dos Estivadores do Porto de Lisboa se mantenha no processo que agora se inicia, onde a par da negociação colectiva é preciso intensificar a vigilância em defesa da AETPL, pois não é de excluir que as intenções patronais agora derrotadas ressurjam com novas tácticas amanhã. Os Estivadores do Porto de Lisboa podem continuar a contar com a activa solidariedade do PCP

Porto de Lisboa: Governo não pode pactuar com a insolvência fraudulenta da A-ETPL!

lutaestivadoresNa Assembleia da República,o PCP questionou o Governo sobre a situação laboral no Porto de Lisboa, onde com a cumplicidade das entidades oficiais, o patronato não só mantém o impasse na contratação colectiva como dá passos no sentido de provocar a falência da actual empresa de Trabalho Portuário. O PCP, activamente solidário com a luta dos trabalhadores portuários, apela ao reforço da unidade e da luta para derrotar o projecto em curso de total precarização das relações laborais.

Ler Requerimento em PDF

Em defesa do Porto de Lisboa e dos direitos dos seus trabalhadores, PCP confronta Governo

O PCP, cumprindo os compromissos assumidos, confrontou na Assembleia da República o Governo com a política de desestabilização do Porto de Lisboa que o patronato do sector está a implementar com a activa cumplicidade do Governo, ambos em busca da máxima exploração dos trabalhadores portuários (Foto Arquivo Nov.2012).

Ler Requerimento em PDF

PCP expressa activa solidariedade com a luta dos Estivadores do Porto de Lisboa

20130724estivadores pcpUma delegação do PCP reuniu, na Assembleia da República, com o Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul. Na reunião, o PCP expressou a sua activa solidariedade com a luta destes trabalhadores portuários em defesa do direito à contratação colectiva, contra o incremento da precariedade, da exploração e da insegurança. O PCP expressou ainda a sua firme condenação do processo de desestabilização do sector, e em particular do Porto de Lisboa, que o Governo e as patronais lançaram, assumindo perante os trabalhadores do sector o compromisso de apresentar a breve prazo uma iniciativa parlamentar que confronte o Governo com o seu papel e as suas responsabilidades.

Porto de Lisboa Encerrado

Porto LisboaPorto de Lisboa - Encerrado

PCP em defesa do Porto de Lisboa contra a sua expropriação pelas multinacionais

  

O PCP apresentou hoje na Assembleia da República uma declaração política sobre o Porto de Lisboa na sequência do anúncio pelo Governo de um vasto conjunto de PPP's que representariam a sua efectiva expropriação pelas multinacionais. O PCP apela à resistência a este projecto e à luta por uma política patriótica e de esquerda também para o Porto de Lisboa.

Ler Intervenção em PDF

Colocar o Mar e os Portos ao serviço de um futuro digno para o povo e o país

mini-fotografia

O PCP reuniu hoje com a Frente Comum Sindical Maritimo-Portuária, ocasião para Jerónimo de Sousa transmitir a calorosa e fraterna saudação do PCP à justa luta dos trabalhadores deste sector, luta que em 2013 se terá que intensificar, seja contra a tentativa de implementação da precariedade total nos portos por via da lei que PSD, CDS e PS aprovaram em Dezembro, seja por via da resistência aos roubos sucessivos que afectam os trabalhadores do sector, seja contra a degradação das condições de segurança na actividade maritima-portuária.

Uma reunião ainda aproveitada para sublinhar que para o PCP, não é inevitável este rumo de empobrecimento e desastre, que existe uma alternativa, mas que é na crescente unidade e luta dos trabalhadores que está o caminho para construir essa alternativa e que só com os trabalhadores se pode o colocar o mar e os portos ao serviço de um futuro digno para o povo e o país.

Ler Nota em PDF