PCP com a luta dos estivadores

req greveestivadoresOs Estivadores desenvolvem uma luta pela livre organização sindical, contra a exploração e a precariedade nos Portos. O Governo tem-se mantido passivo perante as sucessivas violações da lei que o patronato comete, expondo uma actitude de cumplicidade efectiva. Mas agora que os Estivadores avançaram para a greve, o Governo imediatamente decretou um conjunto de serviços mínimos... a uma greve ao trabalho extraordinário. Comportamento que o PCP questionou na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

PCP no piquete do Porto de Lisboa presta solidariedade aos estivadores em luta

20180727estivadoresO PCP prestou hoje solidariedade à luta dos estivadores, junto do piquete do Porto de Lisboa. Uma luta nacional que começou por ser contra as práticas anti-sindicais nos Portos de Leixões e do Caniçal, mas a que se somou entretanto a luta em Lisboa pela concretização dos aumentos já acordados.

Ler Requerimento sobre a situação em Leixões

No Mar e nos Portos, defender a soberania nacional, promover o trabalho com direitos

20171204audicaomarportosO PCP promoveu uma Audição na Assembleia da República sobre o Sector Marítimo-Portuário. Do vasto conjunto de informação recolhida, destacamos: a necessidade de revisão da Lei do Trabalho Portuário, porta escancarada à precariedade e à exploração; a necessidade de apostar na formação, de agilizar e tornar idóneo o processo de certificação de trabalhadores, de garantir a fiscalização  inspecção; a necessidade de uma política para o sector onde o Estado deixe de ser o moço de recados do grande capital e se assuma um projecto nacional de desenvolvimento do aparelho produtivo nacional, assente na reconstrução da Marinha Mercante nacional em todas as suas vastas valências e na rentabilização dos vastos recursos nacionais; da necessidade de acabar com a política de multiplicação dos prestadores de serviço, reintegrando as dragagens, as bancas, e tantos outros serviços no seio da administração pública portuária. O PCP assumiu o compromisso de continuar a intervenção em defesa do sector, com um  pacote de iniiativas decorrentes desta Audição a apresentar em Janeiro. 

CDU promove Audição «O Tejo, o Trabalho e a Cidade»

audicao20170504A CDU realizou hoje uma Audição sobre «O Tejo, o Trabalho e a Cidade» com um conjunto de Organizações Representativas dos Trabalhadores dos sectores Fluvial, Marítimo e Portuário (aceitaram o convite a Fectrans, o Sindicato dos Estivadores, o OficiaisdeMar, o Simamevip, o Sindicato dos Fluviais, o SNTSF e a CT da Transtejo). Na sua intervenção João Ferreira começou por sublinhar que «Ao longo dos anos tornou-se comum ouvir falar da necessidade de “devolver o Tejo à Cidade”. Muitas vezes essa perspectiva – em si justa – ficou associada a uma visão amputada da Cidade, a visão que esquece que é o trabalho e a forma como nos organizamos para trabalhar que estrutura a Cidade e determina a qualidade de vida na Cidade», para depois integrar um conjunto de propostas e reivindicações na visão de Cidade pela qual a CDU se compromete a trabalhar.

 

Ao longo dos anos tornou-se comum ouvir falar da necessidade de “devolver o Tejo à Cidade”. Muitas vezes essa perspectiva – em si justa – ficou associada a uma visão amputada da Cidade, a visão que esquece que é o trabalho e a forma como nos organizamos para trabalhar que estrutura a Cidade e determina a qualidade de vida na Cidade.

Em defesa do sector marítimo-portuário e da economia nacional

quadr mpO PCP confrontou o governo com um conjunto de questões relativas ao Sector Marítimo-Portuário: questionou a forma como se está a exigir os certificados médicos aos marítimos (ler); alertou para o definhar do 1º registo nacional e para as dificuldades que isso está a trazer aos praticantes e marítimos (ler); apontou para a necessidade de um serviço nacional de dragagens (ler) e para a possibilidade de dar uma resposta nacional ao serviço de bancas (ler); denunciou o facto dos serviços de inspecção de navios estarem a ser desmantelados (ler). Tudo reflexos da política de direita que continua a ser imposta no sector, e pistas de uma rumo diferente que a economia nacional deveria seguir igualmente neste sector,

PCP questiona governo sobre futuro dos trabalhadores dos navios Porto e Funchal

20170308naviosfunchalporto

O Partido Comunista Português deslocou-se hoje ao Cais da Matinha no Porto de Lisboa, tendo contactado com tripulantes dos navios Funchal e Porto, que ali se encontram desde 2015, afetados pelas graves consequências de um processo de insolvência daquele que em agosto de 2013, Pedro Passos Coelho apontou como um empresário modelo para o país. Aos trabalhadores está a ser imposta uma situação insustentável, particularmente desde dezembro de 2016, altura em que deixaram de ser pagos os salários a estes trabalhadores e deixou de ser feito o abastecimento de combustível a estes navios, degradando as condições de trabalho e de habitabilidade a bordo. O PCP já exigiu do Governo uma pronta resposta a esta situação.

Ler Requerimento em PDF

PCP assume três prioridades para o sector portuário: complementariedade dos Portos, ligação ao aparelho produtivo, trabalho com direitos!

O PCP aproveitou o debate sobre o Sector Portuário para colocar três questões centrais para o futuro do sector: o fim da ideia de concorrência entre os portos nacionais e antes a aposta na sua complementariedade; o fim da centralidade das preocupações da ligação dos portos à europa, e a prioridade à ligação do aparelho produtivo nacional aos portos; o fim da política de exploração, precariedade e baixos salários, e a aposto no trabalho digno e com direitos.

Nos Portos, só a luta dos trabalhadores pode travar a exploração e a precariedade!

comunicadoportos201607O Sector Portuário do PCP está a distribuir um comunicado aos estivadores, onde se abordar duas grandes questões: o combate à precariedade e à exploração na estiva, valorizando a luta e a assinatura de um CCT no Porto de Lisboa e alertando para a necessidade de alargar essa luta; o facto de PS/PSD/CDS, a troika da política de direita, terem-se aliado para chumbar o projecto de resolução do PCP que apontava a necessidade de rever o regime jurídico do trabalho portuário, e o facto dessa luta ter que ser intensificada em cada Porto.

Ler Comunicado em PDF

PCP expressa solidariedade activa à luta dos estivadores contra a precariedade e a exploração

foto bdias1606Na Manifestação contra a Precariedade promovida pelo Sindicato dos Estivadores, o deputado do PCP Bruno Dias expressou a solidariedade activa do PCP com a luta destes trabalhadores. A Manifestação, que decorreu entre o Cais do Sodré e São Bento, contou com a participação de estivadores de vários Portos do país, da FECTRANS/CGTP-IN e de várias outras organizações.

Ver Intervenção do PCP na Manifestação

Esclarecedora audição do Sindicato dos Estivadores no Parlamento, na sequência de proposta do PCP

Por iniciativa do PCP, realizou-se na Comissão de Economia da Assembleia da República a Audição ao Sindicato dos Estivadores, ocasião para desmintir cabalmente as muitas mentiras que sobre a luta foram dessiminadas pela Comunicação Social. Bruno Dias, na intervenção final, sublinhou as declarações do PSD, preocupado com o facto de os trabalhadores estarem, pela luta, a impor a conquista de direitos acima do mínimo legal. Reproduzimos aqui os últimos 20 minutos da Audição, mas ela pode ser vista na integra na TV AR.