Crescentes supressões de comboios na Linha de Sintra têm causas e soluções!

cpsintraazambujaÉ crescente o calvário dos utentes da Linha de Sintra/Azambuja da CP. As supressões começam a ser sistemática, enquanto o Governo continua a debitar promessas e a adiar todas as medidas necessárias para melhorar a resposta dos transportes públicos. Usando os dados do número de supressões na semana anterior, o PCP confrontou o Gpverno na Assembleia da República exigindo que sejam adoptadas as soluções que há muito são conhecidas.

Ler requerimento em PDF

Agente Único: Governo tem que parar de mentir e respeitar os ferroviários e os utentes

20180603 greveagenteunicoO PCP esteve ontem com os ferroviários nos piquetes de greve da justa luta que travam contra a tentativa do Governo de impor a alteração dos regulamentos de segurança para facilitar a realização de comboios com um único trabalhador a bordo. O PCP apelou ao Governo para parar de mentir, lamentando a figura do Secretário de Estado que prestou declarações públicas falando de regulamentos de 1999 quando o que está em causa são as alterações que entraram em vigor no passado dia 1 de Maio! O PCP exige que o Governo deixe de tentar manipular a opinião pública e promova as correções aos regulamentos de segurança que está a patrocinar.

Tudo para as PPP, nada para a ferrovia e a rodovia: o desastre IP!

ni ip3anosPassam hoje 3 anos sobre a entrada em funcionamento da Infraestruturas de Portugal. Em Nota de Imprensa, o PCP faz a demonstração do desastre que representou a fusão da REFER com a IP, e da necessidade imperiosa de reverter a politica neste sector. Hoje o país continua com o investimento paralisado, enquanto o governo se multiplica em propaganda e vai transferindo recursos públicos aos milhares de milhões para os grupos monopolistas.

Ler Nota de Imprensa em PDF

A segurança ferroviária não pode ser posta em causa por critérios economicistas!

ni agenteunicoNa próxima segunda-feira, 4 de Julho, os trabalhadores ferroviários realizam uma jornada de luta contra a tentativa do governo de permitir uma alteração da Regulamentação de Segurança Ferroviária guiada por critérios economicistas, que passaria a permitir a circulação de comboios (com 700 metros, milhares de toneladas ou centenas de passageiros) apenas com um trabalhador a bordo - o maquinista - aumentando o risco da operação com o único objectivo de poder reduzir o número de trabalhadores envolvidos. O PCP lamenta que o Governo, rasgando compromissos anteriormente assumidos, esteja a dar cobertura a estas alterações. O PCP expressa a sua mais firme solidariedade com os trabalhadores em luta!

Ver Nota de Imprensa do PCP

Linha de Cascais: Eléctrico Rápido NÃO É SOLUÇÃO!

comcascais elrapidoEnquanto o Governo continua a adiar as soluções para a crescente degradação da Linha Ferroviária de Cascais (modernização da infraestrutura e aquisição de material circulante novo), o lobby dos especuladores começou a defender nos jornais a solução «eléctrico rápido», que seria um desastre em termos de transportes públicos mas interessa a muita gente que não utiliza o comboio e vive exactamente da especulação e das negociatas, e que têm muito dinheiro para apresentar «gato por lebre». O PCP está a distribuir aos utentes um Alerta sobre o verdadeiro significado destas propostas.

Ler Comunicado em PDF

Centenas de trabalhadores da EMEF exigem melhor salário e contratação colectiva

20180328 emefOcuparam as Escadinhas do Duque, frente à sede da CP, em mais um dia de luta (foto). Exigem um aumento salarial igual ao que foi aplicado na CP (empresa que detém a EMEF a 100%) e que seja concretizada a renegociação do Acordo de Empresa. Lutam para defender a empresa e o aparelho produtivo nacionall. O PCP expressa a sua activa solidariedade com a luta dos trabalhadores da EMEF, recorda que a valorização do trabalho e dos trabalhadores é uma questão central para o futuro de Portugal e apela à intensificação da luta.

PCP: Em defesa da EMEF e do Sector Ferroviário

2pjr emef ferrovia 2018O PCP apresentou duas iniciativas legislativas em defesa da EMEF e do Sector Ferroviário. Uma em defesa da EMEF e do seu futuro, e outra visando a adopção de um Plano Nacional para o Material Circulante. Ambas as iniciativas resultaram da Audição das Organizações Representativas dos Trabalhadores realizada em Fevereiro, e materializam um caminho alternativa para o desenvolvimento nacional assente na valorização do trabalho e dos trabalhadores.

Ler Boletim editado em PDF

Ler PJR sobre o Material Circulante

Ler PJR sobre o Futuro da EMEF

Por aumento de salários, trabalhadores da Infraestruturas de Portugal realizam grande greve!

greve IP 12032018Foi este o cenário durante todo o dia, com a supressão da maioria dos comboios, fruto da grande greve dos trabalhadores das Infraestruturas de Portugal em luta por um digno aumento de salários. Uma adesão que foi igualmente extraordinária no sector rodoviário,  com o encerramento de inúmeros serviços e sedes regionais. A própria empresa foi obrigada a anunciar uma adesão de 70%, mas esta foi ainda superior. A célula do PCP saúda a justa luta dos trabalhadores da IP, sublinha a importância da acção convergente na luta e apela à intensificação da luta, por um aumento salarial justo e pela negociação de um contrato colectivo para todos os trabalhadores da empresa.

Valorizar a Linha Ferroviária Urbana da Azambuja

ferrovia linhazambujaNo quadro da Campanha «Por Mais e Melhores Transportes Públicos» esta semana está em distribuição um Comunicado aos Utentes de Loures, Vila Franca de Xira e Azambuja, sobre a necessidade de valorizar o serviço urbano ferroviário nestes concelhos. O PCP recorda o adiamento sucessivo de investimentos, a oferta reduzida, falta de coordenação entre o transporte ferroviário e rodoviário, as estações abandonadas, etc., e aponta a necessidade de uma outra política, de valorização efectiva dos transportes públicos.

Ler Comunicado em PDF

Em defesa da EMEF e pela valorização dos salários!

20180220 emefOs trabalhadores da EMEF realizaram no dia 20 de Fevereiro uma grande jornada de luta, com uma greve nacional e a realização de uma Marcha em lisboa até ao Ministério das Infraestruturas. Lutavam pelo aumento dos salários e contra o projecto de separação da empresa em três e sua privatização parcial. O PCP esteve presente através de uma delegação que integrava o deputado Bruno Dias.