Reestruturação da EMEF prepara a sua privatização!

20170502ferroviariosO PCP está a distribuir aos ferroviários um comunicado sobre a reestruturação da EMEF que estão a tentar impor. O PCP sublinha que a separação da empresa em duas tem como objectivo contornar as objecções técnicas colocadas pelo Tribunal de Contas à realização de uns contratos entre a CP e a EMEF que só fazem falta... ao processo de privatização. O PCP apela à vigilância, à unidade e à luta dos ferroviários contra esta reestruturação.

Ler Comunicado em PDF

PCP avança com apreciação parlamentar para reverter fusão do GISAF e do GPIAA

Cumprindo um dos compromissos assumidos na Audição Pública sobre «Segurança e Fiabilidade na Ferrovia» (na foto), o PCP apresentou hoje um Projecto de Apreciação Parlamentar ao Decreto-Lei do Governo que fundiu o GISAF e o GPIAA, ou seja, que decidiu fundir a investigação de acidentes ferroviários e aeronáuticos. Uma medida errada, perigosa e que omite a necessidade de aumentar o investimento nesses organismos em vez de prosseguir as poupanças cegas que acabarão por sair muito caras ao país, e que a Assembleia da República deve agora anular.

Ler Projecto de Apreciação Parlamentar 

Editado Boletim do Sector Ferroviário: Prioridade à segurança e fiabilidade

bol ferr abril 17aEstá em distribuição o Boletim de Abril do Sector Ferroviário do PCP. Nele se abordam questões como a Audição do Partido sobre «Segurança e Fiabilidade na Ferrovia», a precariedade na EMEF, a situação da reposição do primado da contratação colectiva e a reversão dos roubos por via do OE e do DL 133/13, a inauguração do R1 do Alfa Pendular, e ainda se inclui um artigo com perguntas e respostas sobre as alterações ao Regulamento Geral de Segurança RGS 1.

Ler Boletim em PDF 

Trabalhadores da EMEF concentrados frente à sede da empresa em luta pelo Caderno Reivindicativo

20170328 110158Os trabalhadores da EMEF estiveram hoje em luta em defesa do seu Caderno Reivindicativo, contra a precariedade, pela contratação colectiva e contra os baixos salários. No quadro de uma greve com elevada adesão, estiveram concentrados à porta da Administração na Amadora (foto) e à tarde os mais jovens juntaram-se à manifestação da juventude trabalhadora.

Audição Parlamentar «Prioridade à segurança e fiabilidade na operação ferroviária»

20170306 audicaoferroviariosNa Audição realizada dia 6 de Março participaram as Comissões de Trabalhadores da CP, da Medway (ex-CP Carga) e da IP, bem como um vasto conjunto de Sindicatos: FECTRANS, SNTSF, SMAQ, SFRCI, APROFER, SINAFE. Ficou patente que a segurança e fiabilidade da operação ferroviária deixou de ser há largos anos uma verdadeira prioridade para o poder político, substituída por preocupações economicistas que dão prioridade à mercantilização do transporte e à criação de condições para o aumento de lucros para o capital privado. O PCP assumiu o compromisso de avançar com iniciativas concretas nesta matéria, seja em torno do processo de alteração do RGS (Regulamento Geral de Segurança, onde pretendem levar a tripulação mínima a um trabalhador por comboio), seja combatendo a extinção do Gabinete de Investigação de Segurança e de Acidentes Ferroviários (GISAF) e a fusão da REFER com as Estradas de Portugal, seja combatendo a desertificação das estações e o desinvestimento no material circulante e na infraestrutura, seja em torno das múltiplas questões trazidas à Audição e que merecem ser tratadas.

Mais um sector estratégico em risco na Ferrovia: a Unidade de Inovação e Desenvolvimento da EMEF

quadradoemefuidQuando em 2012 o Governo alienou a Unidade de Investigação e Desenvolvimento da EMEF, vendendo-a em 65% à multinacional NOMAD Digital, o PCP alertou para os perigos que essa venda comportava para a CP, para a EMEF e para a soberania nacional. Face às notícias da venda da própria NOMAD Digital, e dos perigos de encerramento dos projectos em desenvolvimento em Portugal, o PCP questionou o Governo sobre as medidas que pretende tomar para defender a soberania e o aparelho produtivo nacional.

Ler Requerimento em PDF

Multinacional MSC tenta passar por cima da legislação nacional!

20161212cpcargaA multinacional MSC está a exigir que os trabalhadores da ex-CP Carga que, à boleia de um Documento sobre Política Anti-Suborno, assinem uma declaração onde declaram aceitar essa «política», como se em Portugal não houvesse leis sobre suborno e corrupção, e como se não houvesse leis sobre os direitos e as obrigações dos trabalhadores. Um comportamento inaceitável, que desrespeita os trabalhadores e o país, e deve ser frontalmente repudiado. Uma hipocrisia vindo de quem acaba de receber de borla a CP Carga com todos os seus 200 milhões de euros de equipamentos. No comunicado, a célula do PCP alerta os ferroviários para as verdadeiras intenções da multinacional.

Ler Comunicado em PDF

Ferrovia: É preciso parar de alimentar gulosos!

O PCP avançou com três questões ao governo sobre situações de favorecimento a privados em prejuízo da ferrovia, dos ferroviários e da segurança operacional. A concessão de uma passagem de nível pela IP, o aluguer pela CP das locomotivas que ofereceu à MSC e o estudo do perdão de mais uma dívida da Fertagus/Barraqueiro.

Ler Requerimento sobre a concessão na IP
Ler Requerimento sobre o aluguer de locomotivas à MSC
Ler Requerimento sobre dívida da Fertagus/Barraqueiro

Contra os despedimentos na EMEF, PCP confronta Governo

precariedadecampanhaFace aos despedimentos que a Administração da EMEF está a patrocinar, o PCP confrontou o Governo com esta sua opção que, além de continuar a revelar um apoio à precariedade que se comprometeu a combater, implicará sérias implicações para os utentes, nomeadamente na Linha de Cascais já tão martirizada pelas erradas opções dos sucessivos governos. O PCP exige a imediata integração na EMEF dos trabalhadores precários que estão a ser despedidos, e que fazem falta todos à operação da empresa.

Ler Requerimento em PDF

Plenário Nacional de trabalhadores em defesa da EMEF

20160915 120405emefRealizou-se hoje um plenário nacional de trabalhadores da EMEF, que exigiu a adopção de medidas urgentes para a empresa, nomeadamente: o fim do recurso a empresas de trabalho tenporário e a prestadores de serviços e a contratação de trabalhadores para a EMEF; a integração da EMEF na CP, acabando com o inferno burocrático que hoje rege a relação entre as duas empresas, ambas essenciais à circulação ferroviária. Os trabalhadores apontaram para o desenvolvimento de lutas em Otubro.

Ler Resolução aprovada