Homenagem a Álvaro Cunhal enche Aula Magna

A Aula Magna foi pequena para todos os que quiseram assistir à Sessão Cultural Evocativa de Álvaro Cunhal, por ocasião do centenário do seu nascimento. A Comissão Promotora da iniciativa - composta por prestigiadas individualidades da cultura, das artes e do espectáculo, do desporto, das ciências, do jornalismo, dos militares, entre outros - destacou assim o homem, o militante, o intelectual e o artista que foi Álvaro Cunhal.

Continuar...

Estudantes fazem ouvir a sua voz!

mini- MG 2417Dia 21 de Março, os estudantes fizeram-se ouvir pelas ruas de Lisboa, do Marquês de Pombal até à Residência Oficial do Primeiro-Ministro, numa manifestação convocada por um conjunto de Associações de Estudantes.

Continuar...

Álvaro Cunhal: o homem, o intelectual, o artista, o militante

mini-AC23mar confOs promotores e o conteúdo da sessão cultural evocativa de Álvaro Cunhal, que se realiza no dia 23 na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, foram ontem tornados públicos. Numa conferência de imprensa realizada no Jardim de Inverno do Teatro Municipal de São Luís, em Lisboa, Armando Caldas, Fernanda Lapa e Samuel apresentaram, em nome da Comissão Promotora, as razões que levaram um vasto conjunto de personalidades das mais variadas expressões artísticas, da cultura, da ciência, do ensino, do desporto e do trabalho a promover uma homenagem a Álvaro Cunhal.

Continuar...

Acto público da CDU em Lisboa

mini-apresenta cduA Comissão Coordenadora da CDU apresentou a sua declaração para as eleições autárquicas deste ano num acto público realizado em Lisboa em que participaram dirigentes das três componentes da coligação (PCP, PEV e ID), representados respectivamente por Jerónimo de Sousa, Heloísa Apolónia e João Corregedor da Fonseca. Esteve também presente Deolinda Machado, dirigente sindical e activista católica.

Intervenção de Jerónimo de Sousa

Uma grande afirmação de exigência de pôr fim a este governo

 

Presente na manifestação realizada em Lisboa, João Ferreira, membro do Comité Central, afirmou que este protesto é mais uma afirmação da exigência de por fim a este governo, a esta politica e a aqueles que a executam e dar a palavra ao povo, uma torrente que cresce, que engrossa e que vai ter momentos importantes nos dias 9, 15 e 27 deste mês.