Festa do Avante: já compraste a tua EP?

mini EPA Entrada Permanente (EP) para os três dias, é um título de solidariedade fundamental para o êxito da Festa do Avante! A sua aquisição antecipada é uma expressão concreta de solidariedade com a preparação e construção da Festa. As crianças até aos 14 anos, inclusive, não pagam EP desde que acompanhadas por um adulto portador de EP. Até 5 de Setembro é possível poupar 11€ e adquirir a EP por 21€ nos Centros de Trabalho do PCP.

29 de Julho: Todos a S. Bento!

mini-29julhoHoje, 29 de Julho, vão ser votadas na Assembleia da República as leis que pretendem impor o aumento do horário de trabalho e o despedimento massivo de trabalhadores da Administração Pública.
Foi convocada uma acção de luta pela Frente Comum para este dia, às 15 horas, no Largo Camões, com desfile para a Assembleia da República. Pela demissão do Governo e pela convocação de eleições antecipadas, TODOS A S. BENTO!

Revista O Militante está à venda

mini-militante«Álvaro Cunhal – a organização e a luta dos trabalhadores.» É esta a frase inscrita na capa da edição de Julho/Agosto da revista O Militante, já à venda, que prossegue a publicação de artigos sobre o pensamento político de Álvaro Cunhal, no ano em que se assinala o centenário do seu nascimento. A revista pode ser adquirida nos Centros de Trabalho do PCP.

Sindicatos defendem eleições antecipadas e mudança de política

mini-plenarioRealizou-se hoje um Plenário Nacional de Sindicatos da CGTP-IN, no Cinema São Jorge, em Lisboa. A iniciativa debruçou-se sobre a situação política actual e reafirmou a necessidade de devolução da palavra ao povo e de dissolução da Assembleia da República. No final, os activistas deslocaram-se até à Residência Oficial do Primeiro-Ministro e entregaram uma resolução exigindo a mudança de política e a realização de eleições antecipadas.

Milhares exigiram demissão do Governo e convocação de novas eleições

mini-IMG 0958 0A concentração da CGTP-IN «Todos a Belém» de Sábado passado tem um profundo significado que resulta da luta que está a ser travada para demitir este governo, considerou Jerónimo de Sousa. Esta grande acção colocou a dissolução da Assembleia da República e a convocação de eleições como a questão central para a saída da situação em que nos encontramos.